segunda-feira, 14 de setembro de 2009



No período de transição, entre o governo dos telhadeiros de vidro e o atual, o dos pecadeiros da lapa, houve um fato singular, que revela boa parte das engrenagens que movem esse modelo de administração compartilhado pelas duas facções...
Vocês se lembram que em um programa radiofônico do torquemada da lapa, a "repórter" conhecida como feiamara realizou uma "investigação de campo", e decobriu que uma das fornecedoras da pmcg, à época, estava domiciliada no Farol de São Thomé, em um endereço residencial, e que no local, não havia nenhum vestígio ou indício que funcionasse uma atividade empresarial...
Logo depois, já no governo do mil patetas, o Diário Oficial do município, publicou um termo aditivo de contrato, onde a mesmíssima empresa, antes acusada de irregularidade, inclusive por receber por serviços e bens que não prestara(na ocasião, fornecimento de gêneros alimentícios e outros insumos a Fundação da Infância e Juventude), figurava como contratada da atual administração, especificamente, agora como fornecedora de serviços de engenharia civil(reforma)de escolas municipais...
Já causaria estranheza tanta "elasticidade" do contrato social, e "capacidade" de prestar serviços tão distintos: fornecimentos de gêneros alimentícios e afins, com engenharia civil...
Mas o fato mais estarrecedor é que uma empresa denunciada por práticas irregulares continuar a figurar como fornecedora da pmcg...
Eis que a estranha "coincidência" se repete...
Uma parte das empresas investigadas na Operação Alta Tensão, e que já se sabe, também participaram de "esquemas" fraudulentos em outros órgãos da pmcg, no fim do ano de 2008, continuam a prestar serviços e fornecer bens a atual administração...
Bom, as pessoas e empresas podem se regenerar, é verdade...Mas a julgar pelos acontecimentos dos últimos 20 anos nessa cidade, e a se considerar que boa parte dos "atores" continuam os mesmos, seria de bom tom evitar que tais "empresas" contratassem com o Erário...
Essa, inclusive, é uma das sanções previstas para quem frauda licitações e desvia dinheiro público...É certo que até que haja trânsito em julgado, todos não podem ser considerados culpados...
Mas uma boa "medida cautelar" seria esperar a conclusão das ações judiciais até que essas empresas pudessem voltar a participar de qulaquer certame, em qualquer parte do país...
Sim, porque há um modus operandi singular: muitas dessas empresas alteram seus contratos sociais, e parte do quadro societário, os laranjas, mas mantêm os "controladores de fato", os pilotos, e "migram" para outras cidades, "administradas" por governos "aliados"...É o "cruzamento" de contratos e empresas, uma "tecnologia" emprestada do nepotismo cruzado, onde um aliado nomeia o parente do outro aliado...
Ficam perguntas:
Que tipo de "controle" é exercido na pmcg...???
Para que serve o TCE...não há um cadastro de empresas em situação irregular, nos moldes do SPC, que protege o crédito contra maus pagadores...???
E a câmara...??? Os relatórios das CPI(zzas) não indicaram quais empresas e sócios deveriam ser impedidas, ao menos por enquanto, de contratar com o poder público...???
Eu acho que ninguém vai querer responder...Por que será...???
fonte: http://atrolha.blogspot.com/

"Em 1695, morria no Convento de São Jerônimo, Nova Espanha (hoje México), a monja, poeta e intelectual Sor Juana Inés de la Cruz, aos 47 anos de idade, um ano depois de ter sucumbido às pressões eclesiásticas do tempo e renunciado definitivamente ao mundo das letras. Deixava, para a sociedade da época e para a tradição literária hispano-americana dos séculos subseqüentes, não apenas uma obra prismática, composta de poemas, peças de teatro, escritos filosóficos, cartas e discussões teológicas, mas também uma lição de ousadia intelectual e lucidez crítica.Além de ter dialogado, enquanto poeta, com os principais representantes do barroco de língua espanhola, ter aproveitado criativamente todas as formas literárias disponíveis e inventado outras — o que atesta a sua indiscutível importância na história da poesia colonial do continente — Sor Juana desempenhou um papel importante na defesa, em pleno século XVII, do direito de as mulheres terem acesso irrestrito aos livros e ao conhecimento. Não bastasse isso, ainda teve a coragem de discutir e desafiar - com uma habilidade argumentativa até então considerada privilégio exclusivo dos homens letrados - as idéias de um dos mais consagrados intelectuais do barroco ibero-americano: Pe. Antônio Vieira.Tal desafio deu-se através da famosa Carta Athenagórica, de 1690, enviada pela monja mexicana ao então bispo de Puebla, Manuel Fernández de Santa Cruz, seu interlocutor intelectual. Nela, realizou uma minuciosa leitura crítica do Sermão do Mandato, desmontando, ponto por ponto, os argumentos teológicos do padre português em torno das 'finezas de Cristo'. Por motivos ainda nebulosos, essa carta foi publicada pelo destinatário ao lado de outra carta-resposta que o próprio bispo teria escrito sob o pseudônimo feminino de Sor Filotea de la Cruz, na qual discorda veementemente da freira, não sem antes elogiar suas qualidades retóricas. Abstendo-se de discutir os argumentos teológicos apresentados na Carta Athenagórica, o bispo de Puebla levanta dúvidas quanto à vocação religiosa da freira, visto que para ele, a dedicação por ela dispensada aos livros mundanos, à poesia e ao entedimento eram o atestado irrefutável de seu distanciamento das Sagradas Escrituras. A publicação dessas cartas foi o início de toda uma polêmica que ultrapassou as fronteiras do vice-reinado da Nova Espanha e adquiriu considerável repercussão nos meios clericais da Península Ibérica. E que levou a monja barroca a escrever sua fabulosa Resposta a Sor Filotea de la Cruz, uma espécie de relato autobiográfico, no qual faz a defesa apaixonada de sua vocação e de seu direito de exercer o ofício intelectual. Para isso, faz o elogio do saber multidisciplinar e da prática poética, retraça sua própria trajetória no mundo das letras e argumenta a favor das 'mulheres doutas' de todos os tempos. Atrai, com essa nova carta, a animosidade eclesiática, é abjurada pelo seu próprio confessor e, pressionada por vários prelados, acaba por se render, dois anos depois, ao silêncio e ao ostracismo.Durante muito tempo, pelo menos até o final do século XIX, sua obra — publicada em três tomos, com última reedição em 1725 — também ficou silenciada. Sua figura ainda permaneceu, simbolicamente, através de alguns relatos biográficos, entre eles o do Pe. Jesuíta Diego Calleja, que se empenhou em ‘salvar’ a imagem da monja, relevando as suas virtudes religiosas e ocultando tudo o que pudesse obscurecer sua reputação. Procedimento esse repetido por vários escritores católicos. Foi necessário que uma mulher, Dorothy Schons, trouxesse à tona, no início deste século, o lado subversivo de Sor Juana e a revalorizasse enquanto mulher e intelectual, abrindo caminho para sucessivos, embora ainda precários, estudos sobre a sua vida e sua obra.
Não obstante tenham aparecido, ao longo deste século, importantes textos críticos e biográficos com a nítida preocupação de redimensionar a contribuição da monja mexicana para as letras hispano-americanas, pode-se dizer que o trabalho que realmente colocou Sor Juana no circuito cultural da América Latina e do mundo, foi o monumental livro de Octavio Paz, Sor Juana Inés de la Cruz o las trampas de la fe, publicado em 1982.Paz, que sempre manteve uma relação dialógica com a tradição, preferindo lê-la sob o prisma das idéias de ruptura e de mobilidade (‘uma tradição que se petrifica se prolonga até a morte’, diz) vai, nessa obra, construir uma Sor Juana que se destaca tanto no contexto da literatura barroca de língua hispânica quanto no cenário da moderna poesia ocidental. Além de criar para si mesmo (naquela perspectiva de Borges, no Kafka y sus precursores) a sua precursora hispano-americana que, enquanto tal, nada fica devendo aos modernos poetas europeus, visto que o próprio autor a compara a eminentes representantes da "tradição da ruptura", como Mallarmé e Valéry."(Excertos do ensaio O barroco à luz da modernidade: sor Juana Inés de la Cruz e Octavio Paz, de Maria Esther Maciel.

Leiam o texto integral na página http://www.jornaldepoesia.jor.br/bh5cruz.htm
Claudio Daniel

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná