fulinaíma

domingo, 11 de abril de 2010

Artur Gomes Toda Poesia

Juras secreta 18

te beijo vestida de nua
somente a lua te espelha
nesta lagoa vermelha
porto alegre caís do porto
barcos navios no teu corpo
peixes brincam no teu cio
nus teus seios minhas mãos

e as rendas íntimas que vestias
sobre os teus pêlos ficção
todos os laços dos tecidos
e aquela cor do teu vestido
a pura pele agora é roupa
e o baton da tua boca
e o sabor da tua língua
tudo antes só promessa
agora hóstia entre os meus dentes
para espanto dos decentes
te levo ao ato consagrado

se te despir for só pecado
é só pecar que me interessa

Jura secreta 43

afora em mim grafitemas
nenhuma figuralidade
frutas legumes verduras
quem cala a fala consente
houve um dia que a dita/dura
calou a fala da gente

grafito em tua carne de pedra
medusa de sete patas
poema de sete cabeças
miragens do amor que enlouqueça
apóstolos na santa ceia

miró brincando de circo
de olho na lua cheia

Jura secreta 16

fosse esta menina monalisa
ou se não fosse apenas brisa
diante da menina dos meus olhos
com esse mar azul nos olhos teus
não sei se michelangelo da vinci
dalí ou portinari te anteviram
no instante maior da criação
pintura de um arquiteto grego
quem sabe até filha de zeus
e eu narciso amante do espelho
procuro o espelho em minha face
para ver se os teus olhos
já estão dentro dos meus

Jura Secreta 55
para Ana Gusmão

xangô é parte da pedra
exu fagulha de ferro
ogum espada de aço
faz do meu colo teus braços
oxossi carne da mata
iansã é vento fogo tempestade
yaemanjá água do mar
oxum é água doce
oxalá em ti me trouxe
te canto como se fosse
um novo deus em liberdade

Mar de Búzios

vaza sob meus pés
um rio das ostras
enquanto minha mãos em conchas
passeiam o mangue dos teus seios
e provocam o fluxo do teu sangue
os caranguejos olham admirados
a volúpia dos teus cios
quando me entregas o que traz
por entre as praias e permites desatar
todos os nós do teu umbigo
transbordando mar de búzios
- oceanos
atrlântico pulsar entre dois corpos
que se descobrem peixes
e mergulham profundezas
seja qual for a hora
em que ser beijam num pontal
em comunhão total com a natureza

Viagem Tropical

Ah! Meu amor
que maravilha!
apesar dessa quadrliha
tudo aqui vai muito bem
tudo aqui nada vai mal
isso aqui ainda é Brasílha
ou já é novo Pantanal?

a ostra e o vento
p/Branca Lima

fosse marcela uma ilha
deserta atlântica
maravilha
iria eu lá naufragar
fosse só algas e peixes
pérola ostra
armadilha
cabelos fossem só vento
seus olhos fossem só mar

Jura secreta 56

tens uma menina vadia
entre os teus olhos de ninfa
e o vulcão no teu umbigo
flor de lótus pele roxa
alguma alga marinha
na preamar das densas coxas
aberta mulher ao cio
desejo-te enquanto bebe come
onde provas do gozo ri e chora
teus beijos água de rio
mistério que me devora

Curto/circuito

quem disse que amor
é mudo
surdo
cego
não sabe o que carrego
em meu estado de surto

biologicamente fulinaímica falo

sensualidade em tua boca é mato
cama em que me basta e pasto
quando um deus fiat-lux
tendo a pólvora fez o fósforo
e deu-se a primeira explosão
bola de fogo sem limites
e nos espermas de uranos
michele sato já me disse
germinou-te eva e afrodite
o ser da tropicália a tropicanAlice
e sendo adão homem primeiro
deu-me as mãos para o direito
em devorArte pela arte inteira
vênus qualquer sendo de marte
tens dentro da carne brasileira
poderosas fibras na textura
santa mulher nossa senhora
a profanação pela loucura
para equilibrar o planeta onde mora

Injúria secreta

suassuna no teu corpo
couro de cor compadecida
ariano sábio e louco
inaugura em mim a vida
pedra de reino no riacho
gumes de atalhos na pedreira
menina dos brincos de pérola
palavra acesa na fogueira
pós os ismos tudo é pós
na pele ou nas aranhas
na carne ou nos lençóis
no palco ou no cinema
a palavra que procuro
é clara quando não é gema

até furar os meus olhos
com alguma cascata de luz
devassa em mim quando transcende
lamparina que acende
e transforma em mel
o que antes era pus

poema/invenção/poema
poema/invenção/poema

inventar o nada
por de trás da tarde
se é savary em olga
tudo é quanto arde
se em césar castro
anjo antropofágico
radiografando o trágico
no corpo do pivete
gol de letra do moleque
federico serAfim
reinventar enfim
com ferocidade
como fogo em brasa
pra não morrer de tédio
por morar numa cidade
onde nem a minha casa
mora mais em mim.

fulinaimicamente

do som dessa palavra
nasce uma outra palavra
fulinaimicamente
no improviso do repente
do som dessa palavra
nasce uma outra palavra
fulinaimicamente

brasileiro sou bicho do mato
brasileiro sou pele de gato
brasileiro mesmo de fato
yauaretê curumim carrapato

em rio que tem piranha
jacaré sarta de banda
criolo tô na umbanda
índio fui dentro da oca
meu destino agora traço
dentro da aldeia carioca

jackson do pandeiro
federico baudelaire
nas flores do mal me quer
artur rimbaud na festa
de janeiro a fevereiro
itamar da assunção
olha aí zeca baleiro
no olho do mundo cão

fulinaíma

misturei meu afro reggae a muito xote
do xaxado ainda fiz maracatu
maxixe frevo já juntei ao fox trote
quando dancei bumba meu boi em pernambuco

fulinaíma é punk rock
rasgando fados em bossa nova
feito blues
para pintar a pele branca de vermelho
e repintar a pele preta de azuis...

botei sanfona no rufar desse baião
tambor de minas capixaba no lundu
no paraná berimbau de capoeira
dancei em noites de lual no maranhão

mas em são paulo pedras quando rolam
pelos céus de nossas bocas meus irmão
fulinaíma azeita o caldo da mixtura
para fazer o que não jazz ainda soul

porção de restos de alguma partitura
que algum músico com vergonha recusou
por ser estranho o que naquilo descobriu
mas se a gente canta no cantar essa ternura
é que mamãe mamãe mamãe macunaíma
ainda chora pelas matas do Brasil

Goytacá Boy

gosto de cumer
a traça
e se és parte da raça
nesta selva
vira caça
se és humana
e ultrapassa
a espécie
do que caço
estás salva
dos meus dentes
mas se ainda
és curuminha
por onde vais e caminha
entre a cidade
e o matagal
pode inspirar
meu samba/enredo
e desfilar
entre os meus dedos
onde tudo é carnaval

drummundana itabirina

fedra margarida a resolvida
decidira desfilar pela última vez
portando falo
resolvera desnudar de vez
a sua outra mulher
brazílica amanheceu incrédula
cartazes faixas manchetes vozes vozerios
por todas as vias multmeios multvias
voziferavam: Não ao Sim
e margarida flor impávida
lá foi beira-mar contando estrelas no cruzeiro
e césar que não é castro
continuou a pigmentar seu mastro
no outro lado da tela
e um dia fedra sorrindo
com o pênis/baton da louca
foi ao boca de luar da Fedra
e voltou com o luar na boca

SagaraNAgens

guima meu mestre guima
em mil perdões eu te peço
por esta obra encarnada
na carne cabra da peste
da hygia ferreira bem casta
aqui nas bandas do leste
a fome de carne é madrasta

ave palavra profana
cabala que vos fazia
veredas em mais sagaranas
a morte em vida Severina
teu grande serTão vou comer

nem joão cabral severino
nem virgulino de matraca
nem meu padrinho de pia
me ensinou usar faca
ou da palavra o fazer

a ferramenta que afino
roubei do mestre drummundo
que o diabo giramundo
é o narciso do meu ser

lua cheia

tenho traficado como um bardo
farejado como um cão
coyote vira lata
por estas ruas de março
nesta cidade vadia
namorando a lua cheia
quando baixa no leblon
na sola do meu sapato
devorando a claudia raia
e mastigando este barato

olho de lince

onde engendro
a sagarana

invento
a sagaranagem

entre a vertigem
e a voragem

na palavra
de origem

entre a língua
e a miragem

mordendo: o vírus da linguagem
no olho de lince do poema

Engenho

engenho na palavra
é Arte

Arte na palavra
engenho

tenho a vida
como Arte

Arte como a vida
tenho

Detrito Federal

profano as tetas da vaca
e dou descarga na coisa privada
para limpar a coisa pública
estou aqui na república
império das empreiteiras
navios bancos fantasmas
laranjas vampiros de fato
dos esgotos surgem os ratos
nos palácios senados congressos
poeta não é o bobo da corte
poeta é pedra no sapato
governabilidade é o cacete
política não é só panfletagem
um país não é só a sacanagem
que se varre para baixo do tapete

dia d
,
furai
a pele das partículas dos poemas
viemos das gerações neoabstratas
assistindo a belos filmes de Godart
inertes em películas de Truffaut
bebendo apocalipses de Fellini
em tropicâncer genocidas de terror
,
sangrai
a tela realista dos cinemas
na pele experimental do caos urbano
,
tragai
Dali pele entre/ossos
Glauber rugindo enTridentes
na língua do veneno o gozo das serpentes
nos frascos insensíveis de isopor
,
caímos no poder do vil orgânico
entramos no curral dos artefatos
na porta de entrada os artifícios
na jaula sem saída os mesmos pratos

Leminski Ana 9
para Marisa Francisco

o estado pode ser de choque
ou quem sabe até de surto
o soco pode ser no estômago
a facada for ferir o fígado
o bandido me assaltar na via
o sangue explodir na veia
a vodka só me der asia
todo instante que vier eu curto
a palavra que pintar eu furto
tudo o que faço é poesia.

anjo torto

meninas para mim
serão sempre meninas
jóia rara coisa fina
cássia eller zélia duncan
marisa monte ana carolina
adriana calcanhoto

não sou mário sá carneiro
nem nasci em fevereiro
eu sou eu não sou o outro
não sou pilar da ponte de tédio
mas posso ser o intermédio
pra amenizar teu desconforto

não há fórmula nem remédio
eu sou mesmo o anjo torto

um tiro oculto na gramática 2

poeta diabo de 5 letras
uma metade homem
outra metade cometa
iluminado como sol
na garganta do futuro
espírito santo na boca
em cada palavra que procuro

Retalhos Imortais do SerAfim

atiro contra o tédio infame
pedaços do meu corpo em prumo
poemas refazendo em transe
retalhos de um tecido em partes
seguindo por segundo a trilha
na etérea construção da arte

Foto.Grafia Urbana

entre a lâmina e o perfume
as garras do tigre nos teus dentes
entre a língua do lagarto
e o olho das serpentes
entre o amor e o ciúme
à flor da pele
no tecido que seduz
ou na foto que revele.

amor de telenovela

amei uma mulher que não era
mas era como se fosse
como se fosse terra
como se fosse água
como se fosse fogo
como se fosse ar
como se fosse mata
como se fosse mar
como se fosse céu
como se fosse chuva
como se fosse chão

não era uma vera ficher
mas era como se fosse
não era a débora secco
mas era como se fosse
nem carolina dickman
mas era como se fosse
não era nicole kidman
mas era como se fosse
nem marieta severo
mas era como se fosse

não era uma imperatriz
mas o nosso castelo
era como se fosse
as Minas do Rei Salomão

amei esta mulher feliz
que era como se fosse
atriz de televisão.

20 de fevereiro

fosse quântico esse dia
calmo
claro
intenso
inteiro
20 de fevereiro
sendo assim esperaria

mesmo que em meio a tarde
tempestades trovoadas
insanidades
guerras frias
iniquidade
angústia
agonia
mesmo assim esperaria

20 horas
20 noites
20 anos
20 dias
até quando esperaria?

até que alguém percebesse
que mesmo matando o amor
o amor não morreria

LadyGumesAfrincan'sBaby
para Samaral in/memorian

meto meus dedos cínicos
no teu corpo em fossa
proclamando o que ainda possa
vir a ser surpresa
porque amor não tem essa
de cumer na mesa
é caçador e caça
mastigando na floresta
todo tesão que resta
desta pátria/indefesa.

ponho meus dedos cínicos
sobre tuas costas
vou lambendo bostas
destas botas neoBurguesas
porque meu amor não tem essa
de vir a ser surpresa
é língua suja/grossa/visceral/ilesa
pra lamber tudo o que possa
vomitar na mesa
e me livrar da míngua
desta língua portuguesa

Meta Língua

onde falo sagarana
leiam sagaranagem
junção de gana e garagem
engrenagem que move o mundo
músculo do automóvel
extirpado do sub-mundo
da grafia
da gramática
poema não matemática
linguagem prosa no verso

dos campos beijo as galáxias
em serAfim o concreto
revejo as liras de antes
em guimarães o projeto.

mamãe coragem

numa canção do lenine
o peixe está na rede
o mar está com sede
o rio agora chora

onde esta cidade pedra
veracidade medra
eu te esfinjo drama

onde a ferocidade fedra
eu te desejo deda
eu te devoro dama

pensando a trama do torquato
eu disse mamãe coragem
a vida é sagaranagem
fulinaíma é viagem
te levo na minha bagagem
não chora mamãe não chora

Baby é Cadelinha

devemos não ter pressa
a lâmina acesa sob o esterco de vênus
onde me perco mais me encontro menos
de tudo o que não sei
só fere mais quem menos sabe
sabre de mim baioneta estética
cortando os versos do teu descalabro

visto uma vaca triste como a tua cara
estrela cão gatilho morro:

a poesia é o salto de uma vara

disse-me uma vez só quem não me disse
ferve o olho do tigre enquanto plasma
letal a veia no líquido do além
cavalo máquina meu coração quando engatilho

devemos não ter pressa
a lâmina acesa sob os demônios de eros
onde minto mais porque não verus
fisto uma festa a mais que tua vera
cadela pão meu filho forro:

a poesia é o auto de uma fera

devemos não ter pressa
a lâmina acesa sob os panos
quem incesta?
perfume o odor final do melodrama
sobras de mim papel e resma
impressão letal dos meus dedos imprensados
misto uma merda a mais que tua garra
panela estrada grão socorro:

a poesia é os fausto de uma farra

poÉtica

tudo o que há em mim
é canto
tudo o que há em mim
é fala
por isso
mesmo quando Mudo
o que há dentro de mim
não cala.

Foto.Grafia anti Nuclear

meu objeto concreto
é um poema abstrato
impressionista
realista
quem sabe até
neo concretista
poderoso artefato
uma bomba de hiroshima
uma rosa parafina
ou quem sabe uma menina
que conheci
só no retrato

VeraCidade

porque trancar as portas
tentar proibir as entradas
se já habito os teus cinco sentidos
e as janelas estão escancaradas?

um beija-flor risca no espaço
alguma letras de um alfabeto grego
signo de comunicação indecifrável
eu tenho fome de terra
e esse asfalto sob a sola dos meus pés
agulha nos meus dedos

quando piso na augusta
o poema dá um tapa
na cara da paulista
flutuar na zona do perigo
entre o real e o imaginário

joão guimarães rosa
caio prado martins fontes
um bacanal de ruas tortas
eu não sou flor que se cheire
nem mofo de língua morta
o correto deixei na cacomanga
matagal onde nasci

com os seus dentes de concreto
são paulo é quem me devora
e selvagem devolvo a dentada
na carne da rua aurora

rosa/guimarães/rosa

a rosa de guimarães
não é apenas palavra prosa
muito menos pura poesia
ave palavra magma
grande sertão sagarana
veredas do mato dentro

a rosa de guimarães
é grande jardim planetário
na construção do espaço/tempo
que ainda hoje cultivo
no meu quintal imaginário
e colho dessa matéria
o essencial elemento.

sagração da primavera

se sou teu vinho
me beba
se sou tua carne
me coma
para matar a tua sede
para aumentar a tua fama
me leva
pra tua rede
me leva
pra tua cama.

elemento/fúria

teus dentes instigam
meus instintos
trama
em que a língua
tara
trafego tuas trilhas
e tramo a telha
que me der na tralha
palavra é instrumento solto
entre sorriso e dentes
enquanto língua em minha fala.

carNAvalha

beberei em teu sorriso
licores do céu da tua boca
mesmo suja de baton ou louca
em nossa sede visceral
quero teu cio baby
tuas dádivas de Vênus
amor é mais nunca de menos
que seja a vinho gin ou coca
que seja a ópio ou serpentina
lança perfume ou cafeína
beber teus olhos minha sina

FlorBela

fosse apenas uma menina
mesmo assim a rima
desce no mais íntimo
fundo do teu íntimo
muito pra lá de onde
a tua boca chora
onde a lágrima é brasa
e acende a chama quente
como um beijo líquido
no teu cio aceso
entre os teus seios entre
é onde falo no teu corpo agora

Indiscreta

outras imagens outras
se escrevesse ou me dissesse
e Clarisse ainda me disse
teu fogo inda me devora
arde queima consome
tua língua lambe meu nome
na bruma branca das horas

anjo em transe 1

fosse o que apenas já foi dito
escrito falado pensado
não fosse tudo o que já foi maldito
e nada do que nunca foi sagrado

falo em tua boca enquanto
um anjo em transe
me ilumina tanto
que mesmo mudo
em tua língua canto

como um diabo
que subindo aos céus
tentou muito mais de uma vez
quem sabe gregório
ou quem sabe castro
descendo aos infernos
como sempre fez

talvez camões no corpo de um astro
me lance infinita a chama
da pornoGráfica lucidez

Marina de La Riva

voz de onde me vem
Marina
mar de corais e sais
ilhas tropicais
em si em sóis
em lá
de onde me vem
esta mulher
em sons vocais
e sendo ainda de la riva
eu vi menina
com tua iris
feminina
nos verdes campos
canaviais

Jura Não Secreta

quero dizer que ainda arde
tua manhã em minha tarde
a tua noite no meu dia

quero dizer que ainda é cedo
ainda tenho o samba enredo
é só vestir a fantasia

quero ser teu mestre sala
e você porta/badeira
quando chegar na quarta feira
a gente inventa outra fulia

Jura secreta 45

de Dante a Chico Buarque
todos poetas já cantaram suas musas

beatriz são todas
beatriz são tantas
beatriz são muitas
beatriz são quantas

algumas delas na certa
também já foram cantadas
por este poeta insano e torto
pra lhes trazer o desconforto
do amor quando bandido

beatriz são nomes
mas este de quem vos falo
não revelo o sobrenome

está no filme sagrado
na pele do acetato
na memória do retrato

beatriz no último ato
da divina comédia humana
quando deita em minha cama
e come do fruto proibido

Black billy

ela tinha um jeito gal – fatal vapor barato
toda vez que me trepava as unhas como um gato
cantar era seu dom chegava a dominar a voz
feito cigarra
cigana ébria vomitando doses do seu canto

uma vez só subiu ao palco
estrela no hotel das prateleiras
companheira de ratos na pele de insetos
praticando a luz incerta no auge do apogeu

a morte não é muito mais que um plug elétrico
um grito de guitarra uma centelha
logo assim que ela começa
algo se espelha na carne inicial
de quem morreu

Pornofônico confesso

se este poema inocente
primitivo natural indecente
em teu pulsar navegante
entrar por tua boca entre dentes
espero que não se zangue
se misturar o meu sangue
em teu pensar quando antropo
por todas bocas do corpo
em total porno grafia
na sagração da mulher

me diga deusa da orgia
se também tu não me quer
quando em ti lateja e devora
palavra por palavra
por dentro e por fora
em pornofonia sonora

me diga lady senhora
nestes teus setenta anos
se nunca gozou pelos ânus

me diga bia de dora
num plano lítero/estético
qual humano ou cinerbético
que te masturba ou te deflora

Brasília

goi áis cerrado bordado
vestido de cora coralina
as vezes me deixa encantado
outras vezes me alucina
me transforma em leopardo
nas garras da tua menina

piqui fruto do mato
olho de boi visgo de jaca
jaraguá jaquatirica
ceilândia olho de vaca
taguatinga em meu retrato
brasília em mim significa

sabor de carne mordida
lambida até o caroço
na boca da bia morena
que mora em meu poema
sem alarde
alvorada ou alvoroço

bolero blue

beber de conhac
em tua boca
para matar a febre
nas entranhas entre os dentes
indecente
é a forma que te como
bebo ou calo
e se não falo quando quero
na balada ou no bolero
não é por falta de desejo
é que a fome desse beijo
furta qualquer outra palavra presa
como caça indefesa
dentro da carne que não sai

vôo rasante

desce
ao mais secreto
ao submerso
submundo
desse mundo
que o amor
é mais propfundo
não cabe em superfície
só no fundo

Jura Secreta 54

moro no teu mato dentro
não gosto de estar por fora
tudo que me pintar eu invento
como o beijo no teu corpo agora

desejo-te pelo menos enquanto resta
partícula mínima micro solar floresta
sendo animal da mata atlântica
quântico amor ou meta física
o que em mim não tem respostas

metáfora d´alquimim fugaz brazílica
beijo-te a carne que te cobre os ossos
pele por pele pelas tuas costas

os bichos amam em comunhão na mata
como se fosse aquela hora exata
em que despes de mim o ser humano
e no corpo rasgamos todo pano
e como um deus pagão pensamos sexo.

Sangração das Minas

quando penetrei teus Montes Claros
rocei os pêlos das montanhas brancas
flocos de neve entre as tuas coxas
onde a boca me engolindo falo/dedos
como se as Minas
no pátio não houvesse trancas
nem nos currais cancelas
como se o esperma
do meu corpo quente
fosse somente
o alimento delas
mastigado entre seus dentes
de jaguatirica
sangrado fui teu Ouro Preto
quando devorei tua Vila Rica

nina & louise

quando meus olhos te vêem
com àquelas meias listradas
e o vermelho nariz de palhaço
brinca em meu peito a infância
que nunca deixou de existir
guardada em algumas gavetas
das sete vértebras humanas
razão do ser que vivi

Esfinge 3

érica alice por quanto mais
eu não a visse estava ali
uma miragem
sem que eu fingisse
só voragem
uma mosca em minhas costas
tatuagem quase oposta

a mulher que em carne eu visse
me olhando bem de frente
com teus olhos de serpente
azuis que de repente
devoravam-me no que disse

lavra palavra

a lavra da palavra quero
quando for pluma
mesmo sendo espora
felicidade uma palavra
quando a lavra explora
se é saudade dói
mas não demora
e sendo fauna
linda como a flora
lua luanda
vem não vá embora
se for poema
fogo do desejo
quando for beijo
que seja como agora

Avatar

avatar/esfinge
o que importa?
se aberta a tua porta
me transporta para o mar
e a janela por detrás
das tuas costas
mostra a linha do horizonte
que divide o equador
estrada/ponte
que me leva
seja lá por onde for

sobre as ondas teresina

se queres que eu grite
a morte da natureza morta
antes pense Magritte
a natureza reta
de alguma palavra torta
sobre o sangue a flor da pele
Michelle nua me entorta
em ondas de mar e lua
Gisele levita atrás da porta

Funk Dance Funk

a noite inteira invento joplin na fagulha
jorrando cocker na fornalha
funkrEreção fel fala
fábio parada de Lucas é logo ali
trilhando os trilhos centrais do braZil.

rajadas de sons cortando os ínfimos
poemas sonoros foram feitos para os íntimos
conkretude versus conkrEreção
relâmpagos no coice do coração.

quando ela canta eleonora de lennon
lilibay sequestra a banda no castelo de areia
quando ela toca o esqueleto de Lorca
salta do som em movimento enquanto houver
e federika ensaia o passo que aprendeu com mallarmé

punkrEreção pancada onde estão nossos negrumes?
nunkrEreção negróide nada.
descubro o irado Tião Nunes
para o banquete desta zorra
e vou buscar em Madureira
a Fina Flor do Pau Pereira.

antes que barro vire borra
antes que festa vire forra
antes que marte vire morra
antes que esperma vire porra,
ó baby a vida é gume
ó mather a vida é lume
ó lady a vida é life!

Drummundo

eu sou drummundo e me confundo
na matéria amorosa
posso estar na fina flor da juventude
ou atitude de uma rima primorosa
e até na pele/pedra quando invoco
e me desbundo baratino
e então provoco umbarafundo cabralino
e meto letra no meu verso estando prosa
e vou pro fundo do mais fundo
o mais profundo mineral
guimarães rosa

Marçal Tupã

meu coração marçal tupã
sangra tupi & rock and roll

meu sangue tupiniquim
em corpo tupinambá

samba jongo maculelê
maracatu boi-bumbá

a veia de curumim
é coca cola & guaraná

engenho 484
para Jiddu Saldanha

arrancar do gesto a palavra chave
da palavra a imagem xis
tudo por um risco
tudo por um triz

o trem bala
cospe esqueletos
no depósito da central

fuzil pode ser nosso brinquedo
- novo enredo -
para o próximo carnaval.

e pelas mãos do tempo levarei as tuas como cara/velas de um mar sem tempo ou eras quando a primavera ainda flor de lótus ou a flor do lácio quando abrir teus cios esta flor em pétala quando em teus cabelos pele flor e pêlos eu navegar teus rios te levarei por mares nunca dantes navegados lá onde descobrirei o mistério do azul nestes teus olhos planeta que ainda hei de habitar por dentro lá onde o centro do universo mora e meu verso ficará plantado em todos os segundos que viver na tua hora

EntriDentes 2

paixão é fome fogo festa
quando a foto traz o nome
quando o nome o fogo empresta
o vermelho na parede
o carnaval em tuas unhas
acende a fogueira de lácio
e olivácio salto em transe
no trampolim da tua boca
rasgando a carne que transpunha
as tuas roupas de bruxa
entre pêlos e tecidos
no espaço dos mistérios
na lâmina entre os dentes
a palavra em tua língua
na saliva das serpentes
como o veneno
mais profundo
lambendo os olhos do teu corpo
sob os lençóis do meio dia
enquanto o que pesa
é quanto vale
onde com sangue
escreveria

: se não fosses Eva quem seria?

Dani-se morreale

Se ela me pisar nos calos
Me cumer o fígado
Me botar de quatro
Assim como cavalo
galopar meus pêlos
devorar as vértebras
Dani-se
Se ela me vier de unhas
Me lascar os dentes
Até sangrar meu sexo
Me enfiar a faca
Apunhalar meus olhos
Perfurar meus dedos
Dani-se
Se o amor for bruto
Até mesmo sádico
Neste instante lírico
Se comédia ou trágico
Quero estar no ato
E Dani-se o fato
Deste sangue quente
Em tua boca dos infernos
Deixa queimar os ossos
E explodir os nossos
Poemas
Pós modernos

Profanalha Nu Rio

a flecha de são sebastião
como ogum de pênis/faca
perfura o corpo da glória
das entranhas ao coração

do catete ao largo do machado
onde aqui afora me ardo
como bardo do caos urbano
na velha aldeia carioca

sem nenhuma palavra bíblica
e muito menos avária

: orgasmo é falo no centro
lá dentro da candelária

Metáfora

cavalo passo em tua janela e sem rédeas arreios ou celas alazão que sou de selvagens pradarias lagarto a soltar a pele depois de 40 dias me verão eu tigre expulso das jaulas farejando a caça pelos becos das tardes onde estão os alucinados da cidade enquanto ardendo ao sol a carne do meu corpo de estrelas cadentes e luas menstruadas despeja sobre teus olhos uma enchurrada de palavras como as cachoeiras que ainda não conheces e delas ainda não provou do líquido que teima em escorrer entre as tuas coxas onde minha língua há de beber um dia em que os sentido me despertem e eu vá olhar os lírios nos pântanos.

Unplugged(não ria é sério)

quero botar no teu orkut
um negócio sem vergonha
um poema descarado
ta chegando fevereiro
e meu Rio de Janeiro
fica lindo mascarado

quero botar no teu e-mail
um negócio por inteiro
que eu não sou zeca baleiro
pra ficar cantando a mama
que ainda tem medo do papa

meu negócio é só com a mina
que me trampa quando trapa
meu negócio é só com a mina
que me canta ouvindo o rappa

Met/Áfora 2

não me verás lugar algum enquanto os dentes não forem postos e na mesa tenha espaço para todos esse país que atravesso corpo devasso grito na cara do silêncio na boca dos escravizados eu que venho das profundezas desse tempo escuro onde as caras soterradas no asfalto onde os homens de verde desejavam chumbo sobre nossas palavras não me verás lugar algum o rosto que em mim verás agora é uma máscara que o tempo se encarregou de moldurar sobre o pescoço.

Pétala em Transe: tipo graficamente

em alguma esquina da tarde
vejo em alguma vitrine
que o sangue é vermelho
em quem arde tipo graficamente
e leio em teus olhos d´água
em transversal transcendente
a palavra: diagramação

e deda é onde te beijo dédala
mais tarde logo depois
diante o computador
no poema li teus olhos na tela
quando um beija-flor me revela:
não és pedra ou matéria in/odor
és sim: pétala em transe e paixão

as letras escorrem em teus dedos
nas menchetes de um jornal semanário
sem querer descobri teu diário
onde já estão lá os segredos
deste amor que me é profissão
onde deito em teu corpo os vinhedos
e em teu ser já deixei minhas mãos

antropofagicamente
cumer or not cumer?
: this is the question

se é para matar a fome aline
se é para matar a sede alice
se é para cumer teu nome
metáfora tropicana
lambe a tropicAnalice
e com a letra que restar
do sobrenome
reInvento a tropicália
vais me ter em sagarana
mordo teus lábios de cigana
e só tua boca me define

indicativo presente

olho dentro do teu olho
para que olhe na minha cara
e cara a cara me diga
a quantas anda a nossa briga
do nosso amor pela ética
se é tão estranha a poética
do só pensar lá na frente
que eu já até perdi a conta
nesse pretérito faz de contas
das quantas vezes
que já votei pra presidente
e o nosso país do futuro
que nunca chega no presente

Flor de Lótus

Eva é quando chegas
e te apossas dos meus lábios
por inteiro
como se arte fosses
e teu corpo flor de lótus
nascendo aqui na minha cara
quando me vens
com tais palavras
e me vira pelo avesso
Eva que enfim foste o começo
quando a maçã em mim devora
fogo do amor não tem segredo
chama que queima a qualquer hora

Luz do Sol

fosse-me então matéria prima
sendo mulher mais que uma rima
Vanessa artéria me atravessa
a veia aorta
e me transporta
a outros climas no cinema
e sendo nega
não me nega
a luz na pele
e sendo pele me revela
o quanto és gente
e sendo gente
me aporta
enquanto vela
e sendo ela
acende a chama
pelos mares que atravessa

terra/mãe

agora que pairas sobre o tempo
quando o tempo ainda é tempo
ou quando invento no meu corpo
este teu tempo de existir
e reInvento o que ainda não existe
ou quando o tempo já se foi
sem sequer se existisse
ou se não visses tudo em ti
se já passou

agora mãe
é quando terra ainda me lembro
de algum tempo
na ferrugem que ficou
roendo os ossos dos meus dedos
não tenhas medo
de dizer que ainda é cedo
se alguma lágrima
sai do tempo que brotou

Estrela de Fogo

Atiçais
tudo que em mim
ainda queima e arde
fogo com o sol da tarde
carne de maçã em desalinho
lua quando chega noite
por estas noites de março
entre os lençóis e o linho
um mar em nossa janela
estrela quando brilhante
acende meus olhos em brasa
e exalas por toda casa
até na matéria bruta
perfume de mulher
como açoite
faminto que sou como a fruta
e bebo teus lábios de vinho

terceiro ato

ana quando a vida não for sacana
a gente engendra a sagarana
Re/inventa a sagaranagem
não te preocupes luisa
com o elo da nossa engrenagem
com a direção do vento norte
ou se vem do sul esta brisa
embaixo da tua camisa
palpitam dois lindo seios
e as minhas mãos alcançam em cheio
nas cenas que já escrevi
com os sonhos que prometeu
mas que agora não são mais teus
eles ficaram por aqui

anjo em transe 3

débora é Évora pela arte inteira
flor que entrou na carne
não por pura brincadeira
mesmo se esvai é quando fica
em todo o corpo o que é dela
teus portugais em mim significa
o quanto canta ou quando cala
e aos meus olhos se revela
tua linguagem em minha fala

não quero nada que não queiras
se não quiser palavra inteira
te canto de outra maneira
mesmo mudo surdo cego
quero tudo de ti: não nego
como a cor da tua pele
que em minha pele passeia
e o fluxo do teu sangue
circulando em minha veia

arturgomes
http://juras-secretas.blogspot.com/

Beatriz a Faustino

pudesse eu divagar pelos teus poros
bosque do teu reino em teus pêlos
mergulhar contigo o mar da fonte
atravessar da carne a pele a ponte
penetrar no orgasmo dos teus selos.

pudesse eu cavalgar por tuas crinas
no dorso cavalar onde deflora
deixando assim então de ser menina
e me tornar mulher por toda sina
no inferno céu da tua hora

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná