fulinaíma

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Covardia: de quem? Quem será o bem, quem será o mal?











a planície lamacenta: - fotos: artur gomes











Ato de Covardia: de quem?
Por Eduardo Peixoto*


Não se escuta outra expressão do marido da prefeita de Campos, tentando se defender, que não seja: Isso é covardia!

Mas, segundo a Wikipédia, covardia “É o oposto de bravura e de coragem. É atacar sabendo que o adversário não poderá defender-se”. E então, cabe ou não cabe defesa? De que o ex-governador tem tanto medo? Casal, definitivamente, isso não é covardia.

Covardia é terceirizar a merenda escolar, a limpeza e até mesmo a segurança das unidades de ensino. Covardia é honerar os cofres públicos com todas essas terceirizações que transferem responsabilidades, beneficiam apadrinhamentos e soterram a proposta pedagógica das escolas.

Covardia é não permitir que a comunidade escolar eleja democraticamente a direção das escolas. Distribuir as escolas como feudos a seus senhores para que presenteiem os seus fiéis cabos eleitorais com um DAS... isso sim é covardia.

Covardia é deixar de oferecer condições mínimas de acesso à saúde pública e de qualidade. É deixar o pobre esperando meses, anos, na fila do hospital público por uma cirurgia de emergência... isso se ele aguentar esperar.

Covardia é tornar o DAS e a terceirização únicos atrativos laborativos de uma cidade que recebe uma fortuna de royalties. Os royalties entram em Campos e os desempregados saem para Macaé e regiões vizinhas em busca de emprego. Covardia é não ser transparente.

Covardia é fazer populismo com a miséria alheia. É dar o peixe (mísero e insuficiente) em vez de dar condições de pesca a quem necessita. Isso é formar cidadãos viciados e dependentes e não lhes dar acesso a nenhum tipo de recuperação. Não oferecer formação e emprego é covardia.

Covardia é realizar licitações nada transparentes beneficiando, em regime de revezamento, seus investidores de campanha.

E só mais uma curiosidade: em se falando em fanatismo pseudo-religioso – quem será Davi e quem será Golias? Quem será o bem e quem será o mal?

*Eduardo Peixoto é presidente do PT -Campos

Artigo publicado na edição de domingo na Folha da Manhã
fonte: http://dignidadecampos.blogspot.com/

Para o TRE eles são iguais. E nós o que vamos fazer?

A decisão do TRE de cassar o mandato da prefeita Rosinha Garotinho e condenar à inelegibilidade por três anos seus três antecessores, pode ser entendida, à primeira vista, como um indício de que chegou ao fim o tempo de bandalheira e impunidade que vem caracterizando a política local nas últimas eleições, mas não passa de um novo capítulo desta novela de insensatez protagonizada por atores canastrões que não dão a menor importância se a platéia vai aplaudir ou vaiar no final, desde que a bilheteria esteja garantida.

A novidade são atores estreantes nesta opereta de terceira: suas excelências da Corte Eleitoral com seu julgamento estéril e indícios de pressões extraprocessuais. Nenhuma das punições tem efeito imediato e para todas cabem recursos infindos (tanto no próprio Tribunal quanto no Superior) e sabe-se Deus quando haverá decisão definitiva. Minha intuição diz que deve ser longe, quase nunca. E nunca, porque vão permanecer na cena política local e estadual os mesmos ingredientes da amarga receita: desprezo pelo bom senso, pelo respeito às leis, manipulação da justiça e um desapego à verdade capaz de corar frade de pedra. Todos mentem. Juram confiar em Deus, na Justiça e no julgamento popular, como se fossem as pessoas mais bem intencionadas e puras do Planeta.

O maior mérito do TRE foi oficializar, ao condenar por abusos diversos, Garotinho, Rosinha, Arnaldo Vianna e Alexandre Mocaiber, o que todos nós sabíamos: eles são frutos de uma mesma e danosa árvore.

O que pratica-se aqui é a política do altíssimo risco. Desconhecem limites legais ou éticos, tanto nas campanhas eleitorais quanto no exercício do poder. Quando são candidatos não pensam duas vezes antes de enxovalhar adversários com denúncias das mais contundentes, mesmo sem provas ou apenas indícios. Usam os meios de comunicação aliados, alugados ou próprios, como se não existisse legislação específica que garantisse a todos acesso igualitário. Quando eleitos, misturam o público com o privado numa única conta. Os jornais e rádios amigos são os que recebem a maior fatia das verbas publicitárias, e as empreiteiras que financiaram ou financiarão as campanhas são as favoritas nas licitações de obras e contratações de prestadoras de serviço. Portanto, quando sofrem um revés como este último, contabilizam como parte do risco do negócio e seguem em frente.

Desta vez não se pode negar que houve a participação significativa de outro ator importante (e não tão diferente dos adversários): o governador Sérgio Cabral, o grande beneficiado pela decisão do TRE da última quinta-feira. Sim, o atual governador guarda muito mais semelhanças que diferenças com os seus ex-aliados daqui da Planície, e tirar o ex-governador Garotinho da campanha sucessória é o objetivo do atual governador. Mas o tiro pode sair pela culatra, porque isolado numa legendinha de aluguel com pouco mais de um minuto de propaganda eleitoral no rádio e TV, Garotinho concorria sem chances, como o aventureiro de sempre, e agora ganhou o cenário ideal para tirar do armário do camarim a fantasia favorita e desempenhar o papel , mais uma vez, da vítima perseguida. Do homem bom e justo que luta contra o mal, do pequeno David e o gigante Golias e blá, blá, blá...

É preciso admitir um fato: Garotinho é mesmo um dos políticos mais perseguidos da história da República brasileira, como repetem ad nauseam, ele e seus ventríloquos. Mas é também incontestável que tem assento cativo e destacado na galeria dos maiores perseguidores. Quem já ouviu seus programas de rádio sabe do que estou falando. Garotinho é daqueles políticos que conhece tão bem os próprios vícios que é inacreditavelmente convincente ao impingir os mesmos aos seus desafetos de ocasião. É capaz de bater a sua carteira e sair gritando: “pega ladrão! pela ladrão!”

Mas o êxito político de Garotinho, Cabral e dessa gente toda, é fruto do analfabetismo político de que nos falava Bertolt Brecht. Não haverá massa crítica suficiente para varrer esse tipo de gente para o lugar onde merece estar sem o exercício livre e robusto da cidadania. Em pleno século 21 ainda há quem confunda favor com direito. O eleitorado que mantém esse tipo de político no poder é mesmo que trocava voto por dentadura e hoje ou troca-o por dinheiro vivo, cheque-cidadão, bolsa-família ou qualquer outra “vantagem” que seria um direito de fato e não uma barganha que afronta aos mais elementares preceitos éticos.

Sair desse círculo vicioso não é fácil. Demanda tempo, disposição para o diálogo com os diferentes, tolerância e contenção de vaidades. E não é de hoje que sabemos que só há dois caminhos a tomar: romper o imobilismo, como propõe o blogueiro Douglas da Mata (aqui) ou continuar lamentando , lamentando, lamentando...

fonte: Ricardo André Vasconcellos



Na verdade, pouco importa se os resultados das decisões do TRE ou TSE possam colocar um termo no mandato da prefeita eleita em 2008, assim como cassar um de nossos representantes no Congresso.A questão principal antecede. É entendermos como chegamos a esse ponto.Caso se confirmem, serão seis, eu disse 06 eleições em quatro(04)anos.

Que tipo de sociedade é essa que convive com tal ambiente caótico, sem que acorde para emergir da lama que a soterra? Ora, todos sabemos que somos vítimas e cúmplices desse processo, mas eu pergunto: Não haverá, nos moldes de alguns momentos mais importantes da História de outros lugares, uma vanguarda que nos guie para fora desse atoleiro? Não, não há, e a mesma História nos mostra que os movimentos de vanguarda tendem ao fracasso, e traem seus propósitos fundamentais.

A resposta é política, e está em nossas mãos, embora sempre pareça que ela escorra entre nossos dedos.

Mas preferimos jantar nossos próprios restos mortais, cercados pelos abutres de mídia, com a gargalhada das hienas do poder como música incidental. Um banquete de podridão antropofágica.

Não importa se a prefeita vai ou não ser mantida no cargo, como já disse.

Seu mandato acabou. Esse modelo acabou, e não há repaginação de marketing que dê jeito.

Não adianta cirurgia plástica para cessar a metástase do carcinoma.

Como está, a administração e suas "obras" parecem uma dona de casa atônita, que acende todas as luzes, liga o fogão sem que haja panelas para cozer algo, aumenta o som da TV e do CD player, liga a irrigação do jardim, enquanto faz obras em todos os cômodos, e tenta limpar a poeira com um pano seco, com o ferro elétrico ligado por três horas para passar uma camiseta, enquanto a lavadora de roupas é acionada para lavar um par de meias, e por fim, abre todas as torneiras.

É chegada a hora de romper todo nosso imobilismo, superar diferenças, e juntar em uma frente ampla gente do calibre de: Sérgio Diniz, Andral Tavares, Roberto Moraes, Luciano D'Ângelo, Odisséia Carvalho, Odete Rocha, Rogério Matoso, Antonio Carlos Rangel, Adão Faria, Adilson Sarmet, Hugo Diniz, Fabiano Rangel, Zé Maria Rangel, Gustavo Lopes, Gustavo Carvalho, Fábio Siqueira, Renato Barreto, Brand Arenari, Roberto Torres, George Gomes Coutinho, Fabrício Maciel, Garciete Santana, Erick Schunk, Marcos Pedlowisk, José Hamilton, Rossana Florêncio, Aurélio, Cléber Tinoco, Zé Luiz Vianna, Artur Gomes, Jane Nunes, Sérgio Cardoso Moreira, Rose David, Professora Luciana, Vitor Menezes, Gervásio Neto, Gustavo Rangel, Cláudio Kezen, Celso Vaz, Cláudio Andrade, Maxsuel Barros Monteiro, Herval Junior, Davi do MST, Aristides Soffiati, Gustavo Soffiati, Félix Manhães, Joca Muylaert, e tantos outros, muitos outros.

Aceitamos até aqueles que renunciem às práticas que contribuíram para nosso sofrimento. Que a Imperatrix faça o "gesto simbólico" e devolva os 1.8 milhão da "fantasia". Que outros vereadores, deputados estaduais decidam parar de tentar agradar deus e o diabo, e venham se juntar aos esforços dos homens e mulheres de boa vontade. Não há futuro para nós, se mantivermos as coisas como estão.

É hora de parar, refletir e agir.

É essa História que esses homens públicos querem legar aos seus descendentes e sua biografia?Esse é o momento de ruptura que exige medidas de exceção.

Livremo-nos de nossas diferenças e sigamos pelo que nos une.

Há tempos de cinismo, e há tempos para ingenuidade

Douglas Barreto da Mata
madan cabeça e pele – sobre poema de adélia prado e olga savary

Escrituras Editora
e
Casa das Rosas convidam para a

QUINTA POÉTICA

com as poetas convidadas
Eunice Arruda, Graça Fontelles, Helena Borges e Karin Massaro, com participação especial de Sandra Miyazawa e Tiganá.
Agradecimentos especiais ao poeta Celso de Alencar (curador) e Joyce Cavalccante, presidente da REBRA - Rede de Escritoras Brasileiras.

Quinta-feira, 27 de maio de 2010
a partir das 19h

Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos
Av. Paulista, 37 - São Paulo/SP
Próximo ao metrô Brigadeiro.
Convênio com o estacionamento Patropi - Alameda Santos, 74
Informações: (11) 5904-4499
Próxima QUINTA POÉTICA: 24 de junho de 2010, quinta-feira, às 19h, na CASA DAS ROSAS.
Saiba mais sobre o evento e os convidados:

Quinta poética
Mensalmente, a Casa das Rosas abre suas portas para a Quinta Poética, um grande encontro dos amantes da boa poesia, com a presença de poetas consagrados e novos talentos, que têm a oportunidade de apresentar seu trabalho. Intervenções artísticas das mais diferentes expressões, como dança, música, artes plásticas, cultura popular, envolvem a leitura dos poemas.
Grandes nomes da poesia, como Álvaro Alves de Faria, Beth Brait Alvim, Carlos Felipe Moisés, Celso de Alencar, Contador Borges, Eunice Arruda, Floriano Martins, Hamilton Faria, Helena Armond, José Geraldo Neres, Raimundo Gadelha, Raquel Naveira, Renata Pallottini, Renato Gonda, entre outros, já estiveram presentes nesses encontros, que são promovidos pela Escrituras Editora e a Casa das Rosas.

Os poetas:
Celso de Alencar (curador) é poeta e declamador paraense, radicado em São Paulo desde 1972. O poeta e crítico Cláudio Willer, afirma que se trata do mais enfático poeta contemporâneo. O compositor e poeta Jorge Mautner o considera um poeta da 4ª dimensão, escandalizador e libertador de almas. É reconhecido entre os grandes talentos da geração de 1970, se apresentou na Inglaterra, França e Portugal. Tem vários livros publicados, entre eles: Tentações (1979), Os Reis de Abaeté (1985), O Pastor (1994, infanto-juvenil), O Primeiro Inferno e Outros Poemas (1994 e 2001), A Outra Metade do Coração (CD- antologia poética) e Testamentos (2003). Participou de diversas antologias no Brasil e no exterior, além de publicações em revistas e periódicos. Palestrante e integrante de diversos júris de concursos de poesia. Ex-diretor da União Brasileira dos Escritores - UBE (gestão 1990/92 e 1992/94).

Eunice Arruda é poeta, com treze livros publicados, entre eles: É tempo de noite, Mudança de lua, Há estações. Presença constante em antologias no Brasil e no exterior. Paralelo à criação de poemas, coordena oficinas regulares de poesia. Fez parte da diretoria da União Brasileira de Escritores (UBE). Recebeu inúmeros prêmios, entre os quais: Pablo Neruda (Argentina), Mérito Cultural (Rio de Janeiro) e Mulheres do Mercado (São Paulo).

Graça Fontelles é natural de Fortaleza-Ceará. Casada, mãe três filhos: Cristiane (Odontóloga), Manassés (Humanista) e Daniel (Psicólogo). Avó de Tamara Hadassah, Gabriel, Benjamin, Ana Liz e Pedro Arthur. Poetisa, odontóloga, formada pela Universidade Federal do Ceará (1977), Mestre em Farmacologia pela mesma Universidade (2003). Especialista em Clínica Odontológica pela Eastman Dental Center, University of Rochester, NY. Especialista em Periodontia pelo CRO desde 1987. Pesquisadora da Universidade de Charlottesville (1991-1992). Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2006), e Doutora em Letras pela mesma Universidade (2009). Membro da União Brasileira de Escritores (UBE).

Helena Borges nasceu em São Paulo. Foi acadêmica de Letras e trabalha com turismo desde 1995. Começou a escrever aos 15 anos, já publicando de forma independente em 1988. Retornou à escrita na Bienal de São Paulo, em 2008, com a antologia ‘Delicatta III’ (Ed. Scortecci). Participou da XVIII Antologia Del Secchi e da coletânea ‘Reflexões para bem viver’ e da Antologia ‘Universo Paulistano’ (Andross Editora), livro em homenagem aos 455 anos de São Paulo. Também participou das coletâneas ‘As cartas que nunca mandei’ e ‘Latinidade poética’, projeto 48 horas do escritor Marcelo Puglia. Ainda nesse semestre, lançará seu livro ‘Um passo a mais’, reflexões em poemas e já está escrevendo o livro ‘Amor não correspondido’.

Karin Massaro nasceu em São Paulo. Escreve poesias desde os 7 anos e aos 16 anos já publicava seu primeiro livro, ‘Plano e convexo’ (Editora ECE). A obra, prefaciada por Paulo Zingg, presidente da Associação Paulista de Imprensa, recebeu elogios do Ministro da Justiça, Dr. Euclides Pereira de Mendonça, da Ministra da Educação Dra. Esther de Figueiredo Ferraz, da Câmara Municipal de São Paulo e do Secretário de Agricultura do Rio Grande do Sul Dr. João Salvador de Souza Jardim. Publico também ‘Amor e hepatite viral’ (Editora Legnar, 2001), com poesias premiadas e publicadas no Vol. IV de antologia Painel Brasileiro de Novos Talentos, da Câmara Brasileira de Jovens Talentos do RJ, em 2000. Em 2007, publica seu 3º livro, ‘Sangue quente’, cujo prefácio está sob a chancela do diretor, escritor e ator Paulo Betti.Tem participações em diversas antologias, inclusive nas publicadas pela SOBRAMES - SP (Sociedade Brasileira de Médicos Escritores-SP). É membro da REBRA e do Movimento Poético Nacional. Médica responsável pela Hematologia do Hospital Santa Catarina , membro da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, membro da American Association of Blood Banks, membro e ex-presidente da SOBRAMES - SP (Sociedade Brasileira dos Médicos Escritores), da qual foi a primeira mulher a assumir o cargo.

Sandra Miyazawa - artista circense e performer, apresenta número aéreo em lira, mesclando poesia e dança, trazendo leveza e plasticidade à cena. Especialista em aparelhos aéreos, foi premiada pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo [ProAC] pela criação de número solo de lira, inspirado nos poemas de Hilda Hilst. A artista vem intensificando sua pesquisa e atuação solo, e participação em espetáculos musicais, buscando sempre integrar dança, poesia e música às artes circenses. Dos diversos espetáculos que participou, destacam-se ‘Une-Dune P, de Poesia’, dirigido por Tim Rescala, Universo Umbigo, com direção de André Abujamra (Karnak) e Marcelo Castro (Circo Fractais) e Urbes, de Hugo Possolo, além de shows musicais de Kléber Albuquerque, Quarteto Pererê e Fred Martins.
http://www.myspace.com/sandramiyazawa
http://www.youtube.com/watch?gl=US&v=wmAPHBMYO0g

Tiganá é um dos raros brasileiros a compor em línguas africanas. Traz sonoridade inspirada na polifonia e com fonte na anterioridade. Cantor e jovem poeta, gravou recentemente o CD autoral Maçalê, com direção musical de Luiz Brasil e participações de renomados artistas da MPB. Pesquisador incansável das suas raízes afro-brasileiras – e um dos compositores favoritos da cantora Virgínia Rodrigues, Tiganá revela, através da criação e do seu cantar tão específico, um olhar moderno e ancestral sobre o mundo.
http://www.myspace.com/avozdetigana
http://tigana.com.br/
Escrituras Editora
Rua Maestro Callia, 123 - Vila Mariana
04012-100 - São Paulo - SP - Brasil

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná