terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

8 ou 80

Tela: "Vertigo", de Salvador Dalí






oitenta
a medida que me dão
não serve nem
para mensurar meu abismo
ou o de quem vai em vão
encontrar-se consigo
no labirinto que prosa
a ligação nervosa
entre racional e emoção
ponham-me lá
no fundo da prateleira
sem data de vencimento
valor nutricional
ou qualquer outra convenção
livrem-me de ser taxada
deixem-me ao alcance de mãos
que pintem meus dias nublados
ou floridos na tela do acaso
mas não me façam previsão.


Lara Amaral
há tempos venho mamorando esta mulher no facebook por alguns poemas fragmentados que lia anquela rede e caia como peixe fisgado por tanta tensão lírica criatividade e contundência na seu jeito de olhar para as coisas ao reder e não se contentar de vê-las no lugar aonde estão.
ontem pesquei sua assimétrica no blog o gato da odete um um magnífico coletivo de arte e hoje no seu teatro da vida saco esta pérola de quem sabe transformar toda tensão vivida o conflito cotridiano em poesia: está aí o mistério dos sábios aqueles que aprenderam a lidar com a arte da palavra em cena e sabem como pisar o palco e sair dele da mesma forma que entrou: e como prova dos nove sabe que ou é 8 ou 8o. Lara Amaral seja bem vinda.

Um comentário:

Lara Amaral disse...

Nossa, obrigada! Nem esperava encontrar algo tão bonito assim sobre mim aqui no seu espaço, já que sigo outro blog seu e não conhecia este. Acompanho seus poemas há um bom tempo, gosto muito de te ler. Obrigada mesmo, muito feliz com esta surpresa.
Beijo!

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná