segunda-feira, 14 de maio de 2012

ARIANO SUASSUNA FAZ AULA ESPETÁCULO EM EVENTO EM FEIRA DE SANTANA NA BAHIA


“Escritor falou de sua trajetória em evento gratuito em Feira de Santana.”

Por Elenilson Nascimento 
Inacreditável, o escritor e dramaturgo paraibano Ariano Suassuna ministrou uma “aula-espetáculo” (*não gosto muito desse termo) neste último domingo, 06/05, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana, a cerca de 110 quilômetros da capital baiana.

Suassuna falou um pouco sobre sua infância e juventude vividas no sertão de Cariri, além de ter feito fortes críticas à atual produção literária no Brasil. Vale lembrar aqui que, no ano de 2003, eu fiquei muito “puto da vida” com o escritor, aliás, com a Fundação Casa de Jorge Amado, que na época havia organizado um concurso com o intuito de publicar nomes não muito conhecidos. 

Enviei o meu livro “Diálogos Inesperados Sobre Dificuldades Domadas”, em coautoria com Anna Carvalho e, sem explicação, a Fundação do pai de Tieta eliminou todas obras inscritas e utilizou a verba para fazer uma homenagem ao Suassuna. Só consegui publicar esse livro de contos e crônicas dois anos depois, com força, coragem e sem paitrocínio.    

Contudo, não sei quantas vezes já li “O Auto da Compadecida” (*e não gostei do filme), mas sei que foram muitas. Uma das obras mais incríveis e divertidas da literatura brasileira, escrita pelo Suassuna. Agora, os feirenses tiveram a oportunidade de conferir de perto as ideias do pai do João Grilo, Chicó, Mulher do Padeiro, Cangaceiro, Demônio e muitos outros.   

A “aula-espetáculo” fez parte da Celebração das Culturas dos Sertões promovido pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (*até que enfim a inútil paisagem fez algo realmente convincente), onde o escritor, com muito bom humor e em meio a muitos causos em que o sertanejo era sempre o protagonista, proferiu naquela noite mágica a celebração da palavra.

O espaço físico do teatro ficou pequeno diante da multidão ávida por ouvir atentamente umas das principais referências intelectuais na defesa da cultura dos sertões. O escritor falou também sobre futebol, televisão, moda, música e literatura, entre outros assuntos. Ele destacou a importância das obras que têm como pano de fundo a fortaleza do sertanejo. “Este é um momento muito importante para mim, como sertanejo que sou. Não existe arte universal, todas as grandes obras que conheço são obras locais universalizadas pela qualidade e pela quantidade de sonho humano que existe ali. Então quando se dá importância a essa cultura feita pelo povo brasileiro, quando eu ou músicos como Elomar e Fábio Paes dão importância, é porque nós sabemos que essa cultura produz em vários momentos obras da maior importância”.
Na plateia, gente de todas as idades, muito riso e satisfação com a fala do escritor. Irreverente, o escritor contou muitos causos, da infância em Taperoá, na Paraíba, e das muitas histórias como ícone da literatura que foca os sertões. Apaixonado, partiu em defesa do povo brasileiro. “O Nordeste é o coração, osso e nervo do Brasil. E o sertão é o coração, osso e nervo do Nordeste”, disse lembrando ao público a necessidade de dar real importância à sua cultura e valores.

E foi justamente nesse Teatro Municipal de Feira de Santana que também já ficou em cartaz, repetidas vezes, a encenação do “Auto da Compadecida”E ao recordar aqui algumas cenas, acabei caindo no riso novamente. Essa sim deveria ser uma obra super recomendada para adolescentes, pois é uma isca, uma excelente “armadilha” para aprisioná-los no mundo da literatura, ao invés de somente lerem Harry Potter e vampiros que mais parecem fadinhas.
*Ariano Suassuna (João Pessoa, 16 de junho de 1927) é um dos maiores defensores da cultura nordestina. A sua obra é toda marcada pela riqueza das personagens e das muitas histórias que povoam o universo e o imaginário sertanejos. O bacana foi que teve uma transmissão ao vivo e nós que moramos no cu do mundo ou em outros Estados do Brasil podemos também conferir no site da Irdeb.


Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná