quarta-feira, 23 de maio de 2012

a barra da poesia


 em 1972 a barra
não era assim barra bonita
muito menos de barro
a barra era de chumbo
a barra era de ferro
tudo estranho falso escuro
de concreto apenas o muro
à nossa frente
e rente outro que invisível
se erguia às nossas costas
ao lado um cão de guarda
pronto para matar
qualquer palavra ainda vida
em nossos dentes
e a língua amordaçada
podia apenas soletrar
a palavra: M O R T E

artur gomes
no link abaixo matéria sobre a Barra da Poesia

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná