quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

poética 36




poética 36
para ingrid da mata

um dia inda vou ser cavalo
alado
asas contra qualquer vento
invento
o tempo temporal que seja
frase por fazer
não descoberta ainda
palavra que não finda
a ida volta da partida
quem se vai
ela que não sai
do meu caminho
espinho não da flor
da flora
espora sempre agora
no que ainda sou

artur gomes

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná