sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

A Traição das Metáforas 3 e 4






A Traição das Metáforas

3.      onde a estética é estrada estanque eu grito federico baudelaire passeia como  pimenta do planeta azeite para o acarajé que você não consegue digerir em salvador in chamas salgado mar de fezes farol da barra ainda canta castro alves enquanto por aqui o esgoto entra na cidade pela porta de frente macabea tenta mais uma vez enganar o padre que não sabe dizer missa pão e hóstia não combinam com confete e serpentina e viver é um poema processo moacy há quanto tempo já me disse muito antes dos retalhos imortais aportarem no porto da garrafas santo andré ainda nem sonhava com o assassinato do celso daniel enquanto federico tenta colocar em ordem a bateria da mocidade independente zeca baleiro canta: é mais fácil mimeografar o passado que imprimir o futuro.




4.    seja herói seja marginal: frase de oiticica levou baiano a londres depois de passar alguns segundos no doi cod li num grafiti nos muros da central bem ao lado do monumento de duque de caxias federico estava de plantão nos dragões da independência são cristóvão era um mangue onde todas as noites íamos aliviar nossas tensões com as prostitutas do lugar dali para brasília foi um pulo num quadrimotor da fab embaixo de celas e fardos de alfafa até voltar em  maio  de mil novecentos e sessenta oito cacomanga já s e tornara  uma makondo e eu ali entre a ausência do meu pai e as flores do mal que roubei o quartel num armário do coronel joão batista de oliveira figueredo


Artur Gomes

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná