domingo, 24 de março de 2013

poética fulinaímica


Poética Fulinaímica


da pedra da Gávea
ela pulou pra a PUC
onde Sarte andou dizendo
:
Bovoir é o que queremos

Stella ainda passeia
direto na veia
no vício de amor não saciado
naquele encontro marcado
em tudo que não fizemos


ainda que fosse viagem
de metrô ou fantasia
e o assunto que eu mais queria
fosse o que não dissesse
e o mar apenas trouxesse
gaivotas sobre os cabelos
vento sol maresia
e o líquido que não bebemos
fosse conhac ou cerveja

mesmo assim que a vida seja
o que entre os pelos lateja
o que a tua língua não prova
o que a tua boca não fala
e a prova das dezessete te levasse mais cedo
mesmo assim não tenha medo
palavra entre os meus dedos
é o que aina não disse
miragem essa coisa nova
agora re-visitada
naquela hora marcada
do enconto que não tivemos


artur gomes

Um comentário:

Malu Silva disse...

E entre todos os encontros que não tivemos ficam essas possibilidades maravilhosas de sonhos e desejos...
Como gosto.
Um abraço!!!

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná