fulinaíma

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

por onde passeio minha língua

Flávia D´Angelo musa da minha cannon



por onde passeio minha língua
para Flavia D'Angelo

tenho ainda tuas unhas
mesmo não estando 
entre meus dedos
e no estado em que me encontro
mar é corpo palavra/carne
tua língua meu brinquedo

não creio amor sem isso
nem entanto aquilo outro
pouco entendo do espírito
mas o meu inda é de
porco

se nunca estive
agora estando
é que absinto não me cura

se o seguro porto
é que procura
pode tentar o outro lado
que o meu

sou muito mais o lança/chama
pra incendiar os teus navios
muito além dos temporais
acender língua de fogo
como um danado cão vadio
farejando as altas ondas
deste terrível mar bravio

como se sabe ou como soube
amor não cabe em calmaria
em outro nome nunca coube
e nem atlântico caberia
quero beijar teu mar de buzios
e até teus seios comeria
ao mergulhar por entre as coxas
beber teu mel na maresia


Artur Gomes 

www.artur-gomes.blogspot.com






preciso abraço amigo, 
fuga do mundo
olhar que me visto, 
carinho inteiro
de sobras não vivo,
amor dividido
no meio receios
carente menina
não supre mulher
desprezo desejo
fútil artificio
no sono escondo
palavra que falha
vivendo vazio
escondo o medo, 
carente implora
aplausos escusos
no meio de tudo
a sobra do nada
vieste pro mundo






PELE

desfaço pedaços
escuro me traça
desejo sacio
linhas em curvas
de dedos em nuca
mulher que me visto
no sexo fugaz
mergulho na noite
orgulho banido
desprezo sentir
ateio o vício
me despe receio 
entrega contida
de santa bandida
chegando sem medo
resposta no corpo
na entrega insisto
pudor não anseio...


calo os monstros que assolaram entranhas num tempo que urgia de perigo o corpo. aborto contente pedaços doentes que não me cabem mais. renasço das trevas do espelho que chuta na face verdade oculta. mudo na força da pedra que cai de realidade vazia. fraca me julgo por me permitir assim. junto pedaços e me faço de novo a mulher que julgo ser...e serei.


Flávia D´Angelo
www.poebrasoficial.blogspot.com






proponho aqui
a poesia/verso
que seja prosa
argamassa/concreta
sendo abstrata
muito mais 
que pensamento
abisinto tudo
que a Arte implora
bem maior que InVento


arturgomes







jurra secreta 129

tenho em mim
que amor não sangra
apenas angra
quando o mar não está pra peixe

tenho um feixe de amor guardado

quando penso
me dá um tremor
da língua
as solas dos sapatos
só a duna do vapor
é capaz de compreender os meus baratos

trago em mim tuas unhas
mesmo nunca estando
entre meus dedos

se nunca estive te procurando
como agora estando
absinto não me cura

não pense metáforas a parte
juras secretas poéticas fulinaímicas
o que te tenho é carNAvalha
língua
que em teu corpo se espalha

como na avenida o samba-enredo


Artur Gomes










Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná