quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

1968 - a traição das metáforas


com os dentes cravados na memória

1968 - a traição das metáforas

 macabea perambulava pelos corredores do presídio federal de brazilírica. o mar não está pra peixe. macabea saiu da praia olhando para baixo do umbigo sua última encenação das artes cínicas foi o fracasso da raça. na gráfica me pediu para da Escola Técnica Federal de campos me pediu para imprimir santinhos pro seu candidato a direção do presídio, como o meu candidato era outro não pude atender o seu pedido, ela apelou para Biúte o trapezista do circo dos horrores, que deu adeus a estrela que não sobe com um salto mortal e foi aterrizar em montes claros.

 Artur Gomes

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná