fulinaíma

domingo, 30 de março de 2014

nos tempos da foto novela


Nos  Tempos da Foto Novela

 Aula de teatro (expressão corporal, atuação, fotografia, filmagem, redação, roteiro e produção).

o   O curso abordará os conceitos básicos da técnica fotográfica e audiovisuais, de utilização da câmera, discussão sobre fotógrafos renomados, conceitos básicos sobre a fotonovela e sua narrativa específica e as ferramentas para a criação de uma fotonovela.

.   Produção e edição de uma fotonovela.

.   Entrega de um DVD editado para cada aluno da turma.

·         Data: Abril a Junho – uma vez por semana (toda quinta-feira) – 3 horas por dia (15h às 18h).

.  Carga horária: 39 horas

·         Local: Espaço Multimídia/Sesc.

·         Público: Terceira Idade e Jovens – capacidade da turma = 45 participantes

Inscrições abertas no Sesc
Av Alberto Torres, 397 – Centro
(22) 2725-1210




FULINAÍMA PRODUÇÕES &

 Blog SHOW FRANCISCO apresentam:
FULINAÍMA SAX BLUES POESIA
Dia 1º de Abril 2014 – Local: Dona Baronesa 21h
e Dia 4 de Abril 21h no Rancho do Peixe – Santa Clara - SFI

1964 – 2014 – 50 Anos de Golpe Militar
– venha soltar seu poema preso


Artur Gomes - poesia: corpo e voz
Dalton Freire - sax e flauta
Reubes Pess - voz e violão
participação especial: Rapper Dizzy




SENTENÇA

faz muito tempo que eu venho
nos currais deste comício,
dando mingau de farinha
pra mesma dor que me alinha
ao lamaçal do hospício.
e quem me cansa as canelas
é que me rouba a cadeira,
eu sou quem pula a traseira
e ainda paga a passagem,
eu sou um número ímpar
só pra sobrar na contagem.
por outro lado, em meu corpo,
há uma parte que insiste,
feito um caju que apodrece
mas a castanha resiste,
eu tenho os olhos na espreita
e os bolsos cheios de pedras,
eu sou quem não se conforma
com a sentença ou desfeita,
eu sou quem bagunça a norma,
eu sou quem morre e não deita.

Salgado Maranhão
Do livro: A Cor da Palavra
Prêmio da Academia Brasileira de Letras - 2011

Letrista. Poeta.Ainda adolescente, mudou-se com os irmãos e a mãe para Teresina.Escreveu artigos para um jornal local e conheceu Torquato Neto, que o incentivou a ir para o Rio de Janeiro, o que fez no ano de 1972. Estudou Comunicação na Pontifícia Universidade Católica (PUC). Leia mais sobre Salgado Maranhão.



sob a relva

a noite quando baixou sobre ti
ficaste
a relva está molhada de pássaros brancos

eras uma criança do primeiro dia do mundo
eu te amei como se fosse
a primeira vez
na primeira vida

não sono lágrima silêncio
não adeus até o último adeus

(não, não importa)
eu te reconhecerei entre os mortos, sorrindo

Aricy Curvello (1945)
Publicado na Revista Poesia Sempre – Biblioteca Nacional – nº 36 – 2012 – livraria@bn.br





1º de Abril

telefonaram-me
avisando-me que vinhas
na noite
uma estrela
ainda brigava
contra a escuridão
na rua sob patas
tombavam
homens indefesos
esperei-te 20 anos
e até hoje não vieste
à minha porta

- foi um puta golpe
Artur Gomes
In Suor & Cio – 1984

gravada no CD Fulinaíma Sax Blues Poesia – 2002

https://www.facebook.com/FulinaimaProducoes?fref=ts


oficina de poesia falada e produção de vídeo
https://www.facebook.com/oficinapoesiafalada?fref=ts 

Oficina Cine Vídeo Teatro
produção da cine novela: RUIDURBANOS

Vídeo Instalação : RUIDURBANOS: Uilcon Pereira In Memória
https://www.facebook.com/pages/Ruidurbanos-Uilcon-Pereira-in-Memória/253594524806841?fref=ts

fulinaíma produções
contato:
portalfulinaima@gmail.com
Blog Show Francisco

Rancho do Peixe


sexta-feira, 21 de março de 2014

quarta-feira, 19 de março de 2014

Canção amiga


Canção amiga


Eu preparo uma canção
em que minha mãe se reconheça,
todas as mães se reconheçam,
e que fale como dois olhos.

Caminho por uma rua
que passa em muitos países.
Se não me vêem, eu vejo
e saúdo velhos amigos.

Eu distribuo um segredo
como quem ama ou sorri.
no jeito mais natural
dois caminhos se procuram.

Minha vida, nossas vidas
formam um só diamante.
Aprendi novas palavras
E tornei outras mais belas.

Eu  preparo uma canção
que faça acordar os homens
e adormecer as crianças.



Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 17 de março de 2014

Fulinaíma Blues Poesia

 
                       FULINAÍMA PRODUÇÕES &
 Blog SHOW FRANCISCO apresentam:

FULINAÍMA SAX BLUES POESIA
Dia 1º de Abril 2014 – Local: Dona Baronesa 21h
e Dia 4 de Abril 21h no Rancho do Peixe – Santa Clara - SFI

1964 – 2014 – 50 Anos de Golpe Militar
– venha soltar seu poema preso


Artur Gomes - poesia: corpo e voz
Dalton Freire - sax e flauta
Reubes Pess - voz e violão
participação especial: Rapper Dizzy


1º de Abril

telefonaram-me
avisando-me que vinhas
na noite
uma estrela
ainda brigava
contra a escuridão
na rua sob patas
tombavam
homens indefesos
esperei-te 20 anos
e até hoje não vieste
à minha porta

- foi um puta golpe

Artur Gomes
In Suor & Cio – 1984
gravada no CD Fulinaíma Sax Blues Poesia – 2002
https://www.facebook.com/FulinaimaProducoes?fref=ts

oficina de poesia falada e produção de vídeo
https://www.facebook.com/oficinapoesiafalada?fref=ts 


                                      


 SENTENÇA

faz muito tempo que eu venho
nos currais deste comício,
dando mingau de farinha
pra mesma dor que me alinha
ao lamaçal do hospício.
e quem me cansa as canelas
é que me rouba a cadeira,
eu sou quem pula a traseira
e ainda paga a passagem,
eu sou um número ímpar
só pra sobrar na contagem.
por outro lado, em meu corpo,
há uma parte que insiste,
feito um caju que apodrece
mas a castanha resiste,
eu tenho os olhos na espreita
e os bolsos cheios de pedras,
eu sou quem não se conforma
com a sentença ou desfeita,
eu sou quem bagunça a norma,
eu sou quem morre e não deita.

Salgado Maranhão
Do livro: A Cor da Palavra
Prêmio da Academia Brasileira de Letras - 2011


Letrista. Poeta.Ainda adolescente, mudou-se com os irmãos e a mãe para Teresina.Escreveu artigos para um jornal local e conheceu Torquato Neto, que o incentivou a ir para o Rio de Janeiro, o que fez no ano de 1972. Estudou Comunicação na Pontifícia Universidade Católica (PUC). Leia mais sobre Salgado Maranhão.





  Metáfora


amor -  paixão é fome
fome paixão é fogo
fogo0 de amor é festa
festa fartura fruta
vamos comer enquanto resta

entre as folhas da sirigüela
como a lua da janela
tudo o que sei do amor
já aprendi com Ela

Artur Gomes




 

Metáfora 1


a fruta dentro da lata
a lata dentro da fruta
não era nada demais
apenas puta poema
apenas poema puta
a fruta comendo a lata
a lata comendo a fruta

Artur Gomes




Nos  Tempos da Foto Novela

 Aula de teatro (expressão corporal, atuação, fotografia, filmagem, redação, roteiro e produção).

o   O curso abordará os conceitos básicos da técnica fotográfica e audiovisuais, de utilização da câmera, discussão sobre fotógrafos renomados, conceitos básicos sobre a fotonovela e sua narrativa específica e as ferramentas para a criação de uma fotonovela.

.   Produção e edição de uma fotonovela.

.   Entrega de um DVD editado para cada aluno da turma.

·         Data: Abril a Junho – uma vez por semana (toda quinta-feira) – 3 horas por dia (15h às 18h).

.  Carga horária: 39 horas

·         Local: Espaço Multimídia/Sesc.

·         Público: Terceira Idade e Jovens – capacidade da turma = 45 participantes


Inscrições abertas no Sesc
Av Alberto Torres, 397 – Centro
(22) 2725-1210


Maiores informações
Fulinaíma Produções
(22)99815-1266



sábado, 15 de março de 2014

Fulinaíma Sax Blues Poesia

Reubes Pess, Artur Gomes, Dalton Freire

FULINAÍMA PRODUÇÕES &
Blog SHOW FRANCISCO apresentam:

FULINAÍMA SAX BLUES POESIA
Dia 4 de abril 2014 – 21h
No Rancho do Peixe – Santa Clara - SFI
Artur Gomes - poesia: corpo e voz
Dalton Freire - sax e flauta
Reubes Pess - voz e violão
participação especial: Rapper Dizzy

(Imperdível! um espetáculo poético musical como São Francisco do Itabapoana nunca viu - Julio César Dias de Melo)


Esfinge

o amor 

não e apenas um nome 
que anda por sobre a pele

um dia falo letra por letra 

no outro calo fome por fome 
é que a pele do teu nome 
consome a flor da minha pele

cravado espinho na chaga 

como marca cicatriz 
eu sou ator ela esfinge 
ana alice/beatriz

assim vivemos cantando 

fingindo que somos decentes 
para esconder o sagrado 
em nosso profanos segredos


se um dia falta coragem 

a noite sobra do medo


na sombra da tatuagem 

sinal enfim permanente 
ficou pregando uma peça 
em nosso passado presente


o nome tem seus mistérios 

que se escondem sob panos

o sol e claro quando não chove 

o sal é bom quando de leve 
para adoçar desenganos 
na língua na boca na neve


o mar que vai e vem 

não tem volta


o amor é a coisa mais torta 

que mora lá dentro de mim 
teu céu da boca e a porta 
onde o poema não tem fim


artur gomes 



oficina de poesia falada e produção de vídeo



Oficina Cine Vídeo Teatro

produção da cine novela: RUIDURBANOS

Vídeo Instalação : RUIDURBANOS: Uilcon Pereira In Memória




FULINAÍMA PRODUÇÕES 

Cine Vídeo Teatro Poesia 
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266



sexta-feira, 14 de março de 2014

meta metáfora no poema meta

Louise Marrie - 
www.musadaminhacannon.blogspot.com


como alcançá-la plena
no impulso onde universo pulsa
no poema onde estico plumo
onde o nervo da palavra cresce
onde a linha que separa a pele
é o tecido que o teu corpo veste
como alcançá-la pluma
nessa teia que aranha tece
entre um beijo outro no mamilo
onde aquilo que a pele em prumo
rompe a linha do sentido e cresce
onde o nervo da palavra sobe
o tecido do teu corpo desce
onde a teia que o alcançar descobre
no sentido que o poema é prece


arturgomes


canal do mangue - são francisco do itabapoana - 
foto: Artur Gomes



Fulinaimagem  
1

por enquanto
vou te amar assim em segredo
como se o sagrado fosse
o maior dos pecados originais
e a minha língua fosse
só furor dos canibais
e essa lua mansa fosse faca
a afiar os verso que ainda não fiz
e as brigas de amor que nunca quis
mesmo quando o projeto
aponta outra direção embaixo do nariz
e é mais concreto
que a argamassa do abstrato

por enquanto
vou te amar assim admirando  teu retrato
pensando a minha idade
e o que trago da cidade
embaixo as solas dos sapatos

2

o que trago embaixo as solas dos sapatos é fato
bagana acesa sobra o cigarro é sarro
dentro do carro
ainda ouço Jimmi Hendrix quando quero
dancei bolero SampleAndo rock and roll

pra colher lírios há que se por o pé na lama
a seda pura foto síntese do papel
tem flor de lótus nos bordéis Copacabana
procuro um mix da guitarra de Santana
com os espinhos da rosa de Noel
 
artur gomes
fulinaíma blues poesia



CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná