fulinaíma

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Nos Tempos da Foto Novela


Nos Tempos da Foto Novela


Curso que está sendo realizado no SESC Campos 
até o dia 26 de junho -
 das 15 às 18h -  todas as quintas feiras.
 Apresentação: Dia 8 de julho

Noções básicas sobre teatro, fotografia e áudio visual. 

não me conformo com o silêncio, falo alto mesmo, as vezes naturalmente, em outras para soltar o grito  que sempre teima em ficar preso na garganta. olho para minhas mãos, são grandes mas gosto delas, assim posso alcançar as coisas com mais facilidade. como Clarice que sou, sei que cada coisa tem o instante em que ela é e eu quero me apossar do é da coisa, por isso meus olhos estão sempre atentos ao que o teu olho olha.

Artur Gomes 
www.pelegrafia.blogspot.com 

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Mano Melo e Artur Gomes - Alma Brasileira




Alma Brasileira
Performance Poética
Recital Mano a Mano


Dia 4/6 - 19h Espaço Plural - Sesc Campos - grátis

Encontro dos poetas Mano Melo e Artur Gomes apresentando no repertório além de poesias próprias, um passeio pela Alma Brasileira, com poesias de Salgado Maranhão, Paulo Leminski e Torquato Neto 


participação especial: alunos do Curso: Nos Tempos da Foto Novela - realizado no SESC Campos - todas as quintas feiras das 15 às 18h

https://www.facebook.com/FulinaimaProducoes?ref=ts&fref=ts
https://www.facebook.com/pages/Centro-de-Arte-Fulinaíma/665113623536052?fref=ts
https://www.facebook.com/oficinapoesiafalada?fref=ts 

quinta-feira, 22 de maio de 2014

espaço fulinaíma

FULINAÍMA PRODUÇÕES apresenta:
FULINAÍMA SAX BLUES POESIA
26 de julho - 2014 – Local: Espaço Fulinaíma -  19h
Artur Gomes - voz - Reubes Pess - violão e voz - Bruna Tinoco – voz - Dalton Freire – sax e flauta - Mauricio Lagge - violão


fulinaíma

misturei meu afro reggae a muito xote
do xaxado ainda fiz maracatu
maxixe frevo já juntei ao fox trote
quando dancei bumba meu boi em pernambuco

fulinaíma é punk rock
rasgando fados em bossa nova
feito blues
para pintar a pele branca de vermelho
e repintar a pele preta de azuis...

botei sanfona no rufar desse baião
tambor de minas capixaba no lundu
no paraná berimbau de capoeira
dancei em noites de lual no maranhão

mas em são paulo pedras quando rolam
pelos céus de nossas bocas meus irmão
fulinaíma azeita o caldo da mixtura
para fazer o que não jazz ainda soul

porção de restos de alguma partitura
que algum músico com vergonha recusou
por ser estranho o que naquilo descobriu
mas se a gente canta no cantar essa ternura
é que mamãe mamãe mamãe macunaíma
ainda chora pelas matas do Brasil

Artur Gomes/Reubes Pess

www.grupooutside.com.br/contato.asp provisoriamente na AV. Felipe Uebe, 306 – contato grupo outiside - tel 27377300

Fulinaíma Produções

oficina de poesia falada e produção de vídeo

Oficina Cine Vídeo Teatro
produção da cine novela: RUIDURBANOS

Vídeo Instalação : RUIDURBANOS: Uilcon Pereira In Memória



FULINAÍMA PRODUÇÕES
Música Teatro Cinema Fotografia Poesia

contatos: portalfulinaima@gmail.com    (22)99815-1266


terça-feira, 20 de maio de 2014

fulinaíma sax blues poesia


FULINAÍMA PRODUÇÕES &
D Baronesa Campos apresentam:
FULINAÍMA SAX BLUES POESIA

20 de Maio - 2014 – Local: Dona Baronesa 21h
Artur Gomes - voz - Reubes Pess - violão e voz - Bruna Tinoco – voz - Dalton Freire – sax e flauta - Mauricio Lagge - violão
participações especiais : - Giu de Sousa e Dizzy Rapper Ellen Corrêa

fulinaíma

misturei meu afro reggae a muito xote
do xaxado ainda fiz maracatu
maxixe frevo já juntei ao fox trote
quando dancei bumba meu boi em pernambuco

fulinaíma é punk rock
rasgando fados em bossa nova
feito blues
para pintar a pele branca de vermelho
e repintar a pele preta de azuis...

botei sanfona no rufar desse baião
tambor de minas capixaba no lundu
no paraná berimbau de capoeira
dancei em noites de lual no maranhão

mas em são paulo pedras quando rolam
pelos céus de nossas bocas meus irmão
fulinaíma azeita o caldo da mixtura
para fazer o que não jazz ainda soul

porção de restos de alguma partitura
que algum músico com vergonha recusou
por ser estranho o que naquilo descobriu
mas se a gente canta no cantar essa ternura
é que mamãe mamãe mamãe macunaíma
ainda chora pelas matas do Brasil

Artur Gomes/Reubes Pess
https://www.facebook.com/events/267263126784280/?fref=ts

Apoio: Blog Viva Feliz http://www.blogvivafeliz.com/ https://www.facebook.com/outsidepropaganda?fref=ts
www.grupooutside.com.br/contato.asp provisoriamente na AV. Felipe Uebe, 306 – contato grupo outiside - tel 27377300

Fulinaíma Produções
https://www.facebook.com/FulinaimaProducoes?fref=ts

oficina de poesia falada e produção de vídeo
https://www.facebook.com/oficinapoesiafalada?fref=ts

Oficina Cine Vídeo Teatro
produção da cine novela: RUIDURBANOS

Vídeo Instalação : RUIDURBANOS: Uilcon Pereira In Memória
https://www.facebook.com/pages/Ruidurbanos-Uilcon-Pereira-in-Memória/253594524806841?fref=ts

fulinaíma produções
contato: portalfulinaima@gmail.com 

sexta-feira, 16 de maio de 2014

VI Festival Aberto de Poesia Falada de São Fidélis

 

VI Festival Aberto de Poesia Falada de São Fidélis.
12 e 13 de Setembro de 2014.

O VI Festival Aberto de Poesia Falada de São Fidélis, organizado pela Prefeitura Municipal de São Fidélis através da Secretaria de Cultura e Turismo, tem por finalidade não só valorizar os poetas fidelenses, sustentando o topônimo ‘’Cidade Poema’’, como também promover o intercambio e entrosamento entre poetas da região e do país reunindo pessoas de idades variadas num grande espetáculo artístico e cultural, que objetiva divulgar positivamente a poesia e amor às letras.


Regulamento

Da realização–O Festival será realizado nos dias 12 e 13 de setembro de 2014, no Anfiteatro da Biblioteca Municipal Corina Peixoto de Araújo, Centro.
Horário – inicio às 21hrs.

Da participação –Poderão participar do Festival, poetas brasileiros residentes ou não no país, com idade mínima de 14 anos. A modalidade é livre bem como o tema, não sendo consideradas participantes inscrições de trovas.

Das apresentações/inscrição (Normas) – Cada concorrente poderá participar com no máximo 03 (três) trabalhos, digitados em papel A4, 05 (cinco) vias de cada poema, em Times New Roman corpo 12, em envelope tamanho ofício identificado apenas por pseudônimo. Junto com a(s) referida(s) via(s) também deverá ser enviado no mesmo envelope 01 (um) CD em arquivo Word, contendo o(s) referidos(s) trabalho(s).

Ainda dentro do mesmo envelope, colocar outro, menor, fechado contendo o(s) título(s) do(s) poema(s) e pseudônimo, a identificação do concorrente com nome e endereço completos, telefone, assinatura e e-mail, em papel A4.


As inscrições só poderão ser feitas via Correios e terão que ser postadas atéo dia 20 de julho do ano em curso impreterivelmente. Quaisquertrabalhos postados após a data prevista serão desconsiderados bem como os que não atenderem às regras supracitadas.

Endereço para postagem
Secretaria Municipal de Cultura e Turismo –“Cidade Poema”.
Praça Guilherme Tito de Azevedo, 135 – Centro.
CEP: 28400-000.
São Fidélis – RJ.

Referindo-se ainda às regras:

. O(s) trabalho(s) classificado(s) e premiado(s)poderá(ão) ser publicado(s) de acordo com a organização do festival.

. Os autores classificados e/ou premiados,a partir de sua inscrição, estarão automaticamente autorizando a publicação do(s) seu(s) trabalho(s) de acordo com a organização do evento e suas necessidades.

. Serão selecionados por uma banca examinadora qualificada, 35 (trinta e cinco) trabalhos inscritos a serem apresentados com interpretação, no dia 12, sendo 20 (vinte) poemas oriundos de endereços diversos e 15 (quinze) de autores residentes em São Fidélis.

. Ainda no dia 12/09, dos 35 (trinta e cinco) poemas apresentados, 15 (quinze) serão escolhidos para a grande final no dia 13/09, quando serão conhecidos os 3 (três) primeiros colocados, o melhor interprete e a menção honrosa de interpretação.

. Estarão em julgamento os quesitos

- Conteúdo poético;
- Estruturação no textual;
- Interpretação;
- Interação – poesia/intérprete/público.

. Nenhuma divulgação relacionada anão realização do evento deverá se levada em consideração, exceto em caso de ocorrência de calamidades ou similares, o que levará a organização a se responsabilizar por avisar em oportuno ao(s) participante(s).

. Os 35 (trinta e cincos) trabalhos classificados deverão ser apresentados com seus intérpretes, sendode inteira e única responsabilidade do concorrente providenciar a indicação dos mesmos, caso contrário, a desclassificação do poema será automática, subindo os da sequência de classificação, ex.: 36, 37, 38...

. Os autores dos poemas classificados deverão estar presentes no evento. A ausência dos mesmos implicará em desclassificação.

. A leitura do poema não será contada como interpretação.

. Vale ressaltar que o quesito interpretação estará em julgamento nos 2 dias de Festival.

Da premiação
1º lugar: R$ 5.000,00 (cinco mil reais) +troféu
2º lugar: R$ 4.000,00 (quatro mil reais) +troféu
3ºlugar: R$ 3.000,00 (três mil reais) +troféu
Melhor intérprete: R$ 5.000,00 (cinco mil reais) +troféu
Menção Honrosa: R$ 3.000,00 (três mil reais) +certificado

Maiores informações
- Tel.: (22) 2758 - 6829, segunda à sexta-feira. Das 8 às 17 horas.



Fulinaíma Produções
contato: (22)99815-1266
portalfulinaima@gmail.com


quarta-feira, 14 de maio de 2014

vida toda linguagem

May Pasquetti - musa da minha Cannon


musa fulinaíma: procura-se

pra ser musa fulinaíma
tem que saber muito de rima
entender o que é íma
jimmi hendrix janis joplin summertime

decifrar um baudelaire mallarmé e erza pound
ler torquato  leminski e assunção
emtemder  olho de cão
e ter os dentes afiados

pra ser musa fulinaíma
tem que saber da lady gumes
da rosa sem perfume
e ter meu nome tatuado

pra ser musa fulinaíma
não tem que amar esta cidade
que te toma a liberdade
de viver com o que pensa
tem que estar sempre suspensa
entre o chão e a gravidade

pra ser musa fulinaíma
tem que viver sempre atenta
entre o a selva e o concreto
ter o dedo sempre ereto
contra os donos do mercado

Artur Gomes



ex Palácio da Cultura agora Palácio dos "bons negócios" 



o mundo que venci

o mundo que venci deu-me uma musa
elétrika – menina dos brincos de pérola
poema para escrever à flor da pele
até que tua boca me revele
o sentido do amor inexplicável
tudo que na vida é impossível
nesse chão em que meus pés são calejados

o mundo que venci deu-me uma flor
de cactos – espinhos em meus dedos desfolhados
que deixe cicatriz ou tatuagem
todo amor quando me vem quero vivê-lo
sou fera sou poeta sou selvagem
elétrika bruta flor em meus cabelos
fulinainânica kruel sagaranagem

Artur Gomes



Artur Gomes e Ilda Cequeira




Vida Toda Linguagem
para Mário Faustino

não sei dizer 
o que quer dizer esta metáfora
elétrica lâmpada musa
anima minhas tardes de chuva
senhora das nuvens de chumbo
na lírica do desassossego 
eu tenho seis espadas e pedras
girassóis que roubei dos teus cabelos
o beijo que nunca mais foi dado
nos Retalhos Imortais do Serafim
linguagem um Lance de Dados
e Mallarmé Nada Sabia de Mim

Artur Gomes
www.artur-gomes.blogspot.com 

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Dia do Rock Goytacá

  amanhã no Jardim do Liceu - Imperdível
 - para desafinar o coro dos contentes


Boca do Inferno

por mais que te amar seja uma zorra
eu te confesso amor pagão
não tem de ter perdão prá nós
eu quero mais é teu pudor de dama
despetalando em meus lençóis

e se tiver que me matar que seja
e se eu tiver que te matar que morra
em cada beijo que te der amando

só vale o gozo quando for eterno
infernizando os céus
e santificando a boca do inferno


Artur Gomes
Publicado no livro: Suor & Cio – 1984
Musicado e gravado por Luiz Ribeiro no CD
Fulinaíma Sax Blues Poesia - 2002



fulinaíma produções
 portalfulinaima@gmail.com


segunda-feira, 5 de maio de 2014

poéticas

foto: Artur Gomes


Poética

ainda pratico o verbo
como um gol de letra
derradeiro gol de placa
a lata tecendo a metáfora
metáfora tecendo a lata
e o coração do poeta
selvagem fera na mata

Artur Gomes




meu estado

tenho estado entre o fio e a navalha
perigosamente – no limite
pulando a cerca da fronteira
entre o teu estado de sítio
e o meu estado de surto
só curto a palavra viva
odeio a língua morta
poema que presta é linguagem
pratico a SagaraNAgem
no centro da rua torta

Artur Gomes




um anti/cartão postal

por mais que ela diga que me queira
se jogue entre meus braços
eu te desfaço
não me prendo ao laço
dos teus comandantes
nem sou palhaço no teu Circo do Terror
não sou marido eu sou Amante
e esta cidade nunca foi o meu amor

Artur Gomes
imagem: Lira de Apolo  - foto: Artur Gomes

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná