terça-feira, 21 de novembro de 2017

poética 47


Poética 47
ou: Mallarmè reVisitado

o sentido oco
da cultura é tanto
que a cada lance
desse jogo quântico
o poder é cínico depravado
quando o cheiro podre
passa a ser semântico
entre os três poderes
deus não joga dados

Nenhum comentário:

CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná