quinta-feira, 12 de julho de 2018

juras secretas




13 de julho (sexta-feira) 18h30 horas
Performance "Poesia Viva Poesia",
seguida do Lançamento do livro
JURAS SECRETAS (Editora Penalux)
de Artur Gomes
Local:
ALPHARRABIO LIVRARIA E EDITORA
Rua Eduardo Monteiro, 151
Santo André – SP
4438-4358

pele grafia

meus lábios em teus ouvidos
flechas Netuno cupido
a faca na língua a língua na faca
a febre em patas de vaca
as unhas sujas de Lorca
cebola pré sal com pimenta
tempero sabre de fogo
na tua língua com coentro
qualquer paixão re/invento

o corpo/mar quando agita
na preamar arrebenta
espuma esperma semeia
sementes letra por letra
na bruma branca da areia
sem pensar qualquer sentido
grafito em teu corpo despido
poemas na lua cheia

Artur Gomes

clic  para ler mais sobre o evento 

https://www.facebook.com/347044205324872/photos/a.509316345764323.126458.347044205324872/2125120630850545/?type=3&theater

terça-feira, 10 de julho de 2018

juras secretas - poesia viva poesia




Juras Secretas – Poesia Viva Poesia


Dia 25 de julho – 19h
Teatro de Bolso – Procópio Ferreira
Campos dos Goytacazes-RJ

“Juras Secretas” é o décimo terceiro livro do poeta, ator, performer, videomaker e professor de teatro Artur Gomes. São 100 juras poéticas, agora compartilhadas, tornadas públicas, num lirismo transgressor, em caudalosas intertextualidades e a fúria semântica presente no conjunto de sua obra.

Mais antropofágico do que nunca, mais antropomágico do que sempre, em “Juras Secretas” Artur Gomes canibaliza referências, estiliza o idioma e devora voraz o tropicalismo nosso de cada dia. Em sua estética singular e transbordante, os versos são escandidos em vocábulos plenos de sonoridades musicais e imagens metafóricas, que vão do surrealismo mais onírico à temáticas politicamente contundentes e eroticamente profanas.

Com bela capa de Felipe Stefani, prefácio de Michelle Sato e posfácio de Tanussi Cardoso, a Editora Penalux vem com “Juras Secretas” somar na literatura contemporânea brasileira com a mais nova sagaranagem fulinaímica de Artur Gomes.


Tchello d´Barros 

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Poesia Visual Contemporânea - 11ª Mesa-redonda



R E L E A S E- 11ª mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea

1 – INFORME
2 – SOBRE A MESA
3 – DEPOIMENTO
4 - PROGRAMA
5 – SERVIÇO
6 – CONTATOS
.......................................................


1 – INFORME

Acontece no Centro Cultural Justiça Federal - CCJF em 05 de julho de 2018 na Sala de Leitura, a 11ª mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea, como parte da programação de atividades da exposição itinerante e retrospectiva "CONVERGÊNCIAS | A Poesia Visual de Tchello d’Barros” com curadoria de Sady Bianchin e texto crítico de Almandrade. Além dos poetas participantes desta edição da mesa, Brenda Marques Pena, Igor Fagundes e Luiz Otávio Oliani, o encontro contará com Sady Bianchin como debatedor. Haverá performance de Gringo Carioca, poesia sonora com a intervenção licantrópica de Laffayete Alvares Jr e lançamento do livro Juras Secretas, de Artur Gomes. Com apresentação de Jorge Ventura o encontro tem a curadoria e coordenação de Tchello d’Barros e conta com as parcerias do jornal literário Plástico Bolha, da zine-revista Alfarrábios, da assessoria Domínio Fotográfico e Museu da Poesia Visual.


2 - SOBRE AS MESAS REDONDAS DE POESIA VISUAL

As mesas-redondas “Poesia Visual Contemporânea” tem o propósito de reunir autores, críticos, teóricos, editores, professores, jornalistas culturais e interessados em geral para discutir aspectos atuais da produção nacional e internacional da Poesia Visual. São realizadas desde 2013 e já passaram por 10 instituições culturais, nos Estados de RJ, PR, SC, BA, RS, AL e DF por ocasião das itinerâncias da exposição “Convergências”, em curadorias de exposições coletivas e participação em congressos literários e feiras do livro. Já foram homenageados os poetas visuais Almandrade, Hugo Pontes, Joaquim Branco, Ronaldo Werneck, Phyladelpho Menezes (I. M.) e Wladimir Dias-Pino. Sem patrocínio, esse conjunto de ações tem na Internet seus desdobramentos com obras, textos e fotos no Facebook, via comunidade internacional Museu da Poesia Visual | Visual Poetry Museum.

3 - DEPOIMENTO

De acordo com o escritor e artista visual Tchello d’Barros, que já realizou as curadorias nacionais e internacionais de Poesia Visual “Visagens”, “Miragens”, “Mirações” e “Imagética”, os encontros visam “discutir os possíveis caminhos deste segmento na atualidade, bem como situar essa produção geralmente experimental, numa era onde somos cotidianamente expostos por turbilhões de imagens da indústria cultural em nossa sociedade de massa. O poema visual, sendo um sobrevivente de nossa turbulenta passagem para a pós-modernidade, abriu seu espaço na era digital, cruzou a linha do novo milênio e chegou aos nossos dias reinventando-se sempre mais, transgressor, crítico e político. E não veio apenas para ficar, mas para ampliar seu arco temático, seja pela crítica mordaz nas abordagens dos grandes temas da humanidade, desde tensões geopolíticas, desníveis socioeconômicos, as relações humanas, até aspectos inusitados do cotidiano. Num período onde a Poesia Visual já consolida seu legado em livros didáticos e conquista espaço em ementas de cursos de Literatura, pesquisas acadêmicas e até mesmo no colecionismo do mercado de arte, estes encontros partem do princípio de que realizar exposições, produzir publicações e provocar discussões podem também ser formas de oportunizar mais opções de acesso à Poesia Visual, seja para quem quer alimentar esse sistema com suas criações, seja apenas para quem deseja fruir da poesia em todas as suas vertentes.” 


4 - PROGRAMA

18:30 h - Galeria de Arte do 1º Andar
– Ponto-de-encontro na exposição “Convergências” c/ sessão de foto/vídeo, entrevistas etc.

19:00 h – Sala de Leitura do 2º Andar
– Performance “Entre”, c/ o poeta visual Gringo Carioca.
- Apresentação poética c/ o poeta Jorge Ventura.

R E L E A S E- 11ª mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea

1 – INFORME
2 – SOBRE A MESA
3 – DEPOIMENTO
4 - PROGRAMA
5 – SERVIÇO
6 – CONTATOS
.......................................................


1 – INFORME

Acontece no Centro Cultural Justiça Federal - CCJF em 05 de julho de 2018 na Sala de Leitura, a 11ª mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea, como parte da programação de atividades da exposição itinerante e retrospectiva "CONVERGÊNCIAS | A Poesia Visual de Tchello d’Barros” com curadoria de Sady Bianchin e texto crítico de Almandrade. Além dos poetas participantes desta edição da mesa, Brenda Marques Pena, Igor Fagundes e Luiz Otávio Oliani, o encontro contará com Sady Bianchin como debatedor. Haverá performance de Gringo Carioca, poesia sonora com a intervenção licantrópica de Laffayete Alvares Jr e lançamento do livro Juras Secretas, de Artur Gomes. Com apresentação de Jorge Ventura o encontro tem a curadoria e coordenação de Tchello d’Barros e conta com as parcerias do jornal literário Plástico Bolha, da zine-revista Alfarrábios, da assessoria Domínio Fotográfico e Museu da Poesia Visual.


2 - SOBRE AS MESAS REDONDAS DE POESIA VISUAL

As mesas-redondas “Poesia Visual Contemporânea” tem o propósito de reunir autores, críticos, teóricos, editores, professores, jornalistas culturais e interessados em geral para discutir aspectos atuais da produção nacional e internacional da Poesia Visual. São realizadas desde 2013 e já passaram por 10 instituições culturais, nos Estados de RJ, PR, SC, BA, RS, AL e DF por ocasião das itinerâncias da exposição “Convergências”, em curadorias de exposições coletivas e participação em congressos literários e feiras do livro. Já foram homenageados os poetas visuais Almandrade, Hugo Pontes, Joaquim Branco, Ronaldo Werneck, Phyladelpho Menezes (I. M.) e Wladimir Dias-Pino. Sem patrocínio, esse conjunto de ações tem na Internet seus desdobramentos com obras, textos e fotos no Facebook, via comunidade internacional Museu da Poesia Visual | Visual Poetry Museum.

3 - DEPOIMENTO

De acordo com o escritor e artista visual Tchello d’Barros, que já realizou as curadorias nacionais e internacionais de Poesia Visual “Visagens”, “Miragens”, “Mirações” e “Imagética”, os encontros visam “discutir os possíveis caminhos deste segmento na atualidade, bem como situar essa produção geralmente experimental, numa era onde somos cotidianamente expostos por turbilhões de imagens da indústria cultural em nossa sociedade de massa. O poema visual, sendo um sobrevivente de nossa turbulenta passagem para a pós-modernidade, abriu seu espaço na era digital, cruzou a linha do novo milênio e chegou aos nossos dias reinventando-se sempre mais, transgressor, crítico e político. E não veio apenas para ficar, mas para ampliar seu arco temático, seja pela crítica mordaz nas abordagens dos grandes temas da humanidade, desde tensões geopolíticas, desníveis socioeconômicos, as relações humanas, até aspectos inusitados do cotidiano. Num período onde a Poesia Visual já consolida seu legado em livros didáticos e conquista espaço em ementas de cursos de Literatura, pesquisas acadêmicas e até mesmo no colecionismo do mercado de arte, estes encontros partem do princípio de que realizar exposições, produzir publicações e provocar discussões podem também ser formas de oportunizar mais opções de acesso à Poesia Visual, seja para quem quer alimentar esse sistema com suas criações, seja apenas para quem deseja fruir da poesia em todas as suas vertentes.” 


4 - PROGRAMA

18:30 h - Galeria de Arte do 1º Andar
– Ponto-de-encontro na exposição “Convergências” c/ sessão de foto/vídeo, entrevistas etc.

19:00 h – Sala de Leitura do 2º Andar
– Performance “Entre”, c/ o poeta visual Gringo Carioca.
- Apresentação poética c/ o poeta Jorge Ventura.

19:15 h
- Mesa-redonda c/ os poetas Brenda Marques Pena, Igor Fagundes e Luiz Otávio Oliani, o poeta Sady Bianchin como debatedor e mediação de Tchello d’Barros.

20:15 h
- Poesia Sonora: intervenção licantrópica “O Uivo”, c/ o músico Laffayete Alvares Jr.

20:30 h
- Lançamento de livro: sessão de autógrafos do livro “Juras Secretas”, c/ o poeta Artur Gomes.


5 - SERVIÇO

Quê: 11ª Mesa-redonda ‘‘Poesia Visual Contemporânea’’
Data: 05.Jul.2018 – Quinta-feira
Horários: 18:30 h - Ponto-de-encontro na exposição “Convergências” na Galeria de Arte do 1º Andar.
                 19:00 h - Mesa-redonda na Sala de Leitura  
Local:  Cultural Justiça Federal – CCJF
             Av. Rio Branco, 241, Cinelândia. Centro, Rio de Janeiro, RJ
Curadoria e Mediação: Tchello d’Barros
Ingresso: Entrada Franca / Lugares Limitados
............................................................................
Exposição: até 08.Jul.2018 c/ visitação de terça a domingo das 12 as 19h.



6 – CONTATOS

Contato c/ Tchello d’Barros: 
(21) 9 8354 1978 Tim tchellodbarros@yahoo.com.br  
Rio de Janeiro, RJ


Contato c/ Sady Bianchin
(61) 9 9681 9689  sadybianchin@yahoo.com.br
Rio de Janeiro, RJ
Contato c/ o CCJF
(21) 3261 2550 ccjf@trf2.jus.br
Rio de Janeiro, RJ





segunda-feira, 18 de junho de 2018

juras secretas - resenha




Resenha do livro Juras secretas de Artur Gomes

Juras secretas de um trovador contemporâneo

“Só uma palavra me devora / Aquela que meu coração não diz”. Esses versos de Jura secreta, canção de autoria da compositora brasileira Sueli Costa e Abel Silva, conhecida por grande parte do público pela passionalidade interpretativa da cantora Simone, pluraliza-se e faz emergir Juras secretas, décimo terceiro livro do poeta Artur Gomes. Não que haja intertextualidade explícita entre a canção e os poemas do livro, mas denota o intertexto como uma das principais marcas do poeta, recurso presente em seus livros anteriores.

Em SagaraNagens Fulinaímicas (2015), já se percebia um Artur Gomes um pouco distinto da ferocidade de crítica política predominante, por exemplo, em Couro cru & Carne viva (1987). Em Juras secretas, o poeta assume de vez sua faceta lírica, e é essa que pontua as cem “juras” que preenchem o miolo do livro.

Jura secreta 45

por enquanto
vou te amar assim em segredo
como se o sagrado fosse
o maior dos pecados originais

e minha língua fosse
  furor dos Canibais

E é com furor canibalesco que se nota, na tessitura poética de muitos versos, o poeta que se dedica também à leitura da literatura e de outras artes. Antropofágico, herdeiro de Oswald Andrade e do Tropicalismo, a língua do poeta devora tudo que o coração não diz para permitir que a poesia o diga. Hilda Hilst, Portinari, Glauber Rocha, são signos que denotam o repertório de um leitor-espectador de várias linguagens e que não esconde essas influências. Porém sua poesia não é enciclopédica. As alusões promovem efeitos sonoros e imagéticos que contribuem para o desenvolvimento de uma estilística pessoal e funcional.

Jura secreta 13

quantas marés endoidecemos
e aramaico permaneço doido e lírico
em tudo mais que me negasse
flor de lótus flor de cactos flor de lírios
ou mesmo sexo sendo flor  ou faca fosse
Hilda Hilst quando então se me amasse

ardendo em nós salgado mar e Olga risse
olhando em nós flechas de fogo se existisse
por onde quer que eu te cantasse ou Amavisse

 Artur Gomes é um dos poucos poetas que mantém viva a tradição da oralidade. Participa de vários encontros Brasil afora recitando seus versos como um trovador  contemporâneo. Nota-se, na estrutura musical de sua poesia e nas imagens que cria, uma obra que se materializa por completo quando dita em voz alta. Mas mesmo no silêncio do quarto, da sala, da praia ou no barulho do carro, trem ou metrô; a poesia de Juras secretas oferece viagens estéticas aos que sabem que a poesia não está morta como andam pregando por aí.

Jura secreta 43

com os seus dentes de concreto
São Paulo é quem me devora
e selvagem devolvo a dentada
na carne da rua Aurora


Adriano Carlos Moura
Mestre em Cognição e Linguagem (Uenf). Professor de Literatura do IFF – Atualmente faz doutorado na Universidade Federal de Juiz de Fora-MG



terça-feira, 29 de maio de 2018

festival transepoéticas



Minha participação

Dia 10 - 15h - Auditório 1
lançamento do livro Juras Secretas
Dia 10 - 20h - performance

Poesia  Viva Poesia 

O poeta enquanto coisa

o meu lugar não é aqui
o meu lugar não é ali
o meu lugar é lá

onde garrincha entorta
os laterais esquerdos
dibla até o goleiro
e debaixo da trave
não faz o gol
volta ao meio do campo
para re-começar o desconcerto

Artur Gomes 
www.fulinaimicas.blogspot.com
portalfulinaima@gmail,com
(22)99815-1266 - whatsaapp

domingo, 20 de maio de 2018

sarau baião de dois


Sarau Baião de Dois

Nesta sexta feira 25 a partir das 20h no Sinasefe IF Fluminense - Rua Álvaro Tâmega 132 - Sarau Baião de Dois - Imperdível! Música Poesia - rifa com lindos objetos poéticos e deliciosas iguarias vindas diretamente de Guarapari
obs. o livro Juras Secretas - pode ser adquirido também pela loja virtual da Editora www.penaluxeditora.com.br/loja



poesia viva poesia




Poesia Viva Poesia
Livro: "Juras secretas", poesia. Autor: Artur Gomes.


Lançamento - 10 de junho - 20h
com a performance Poesia Viva Poesia
Museu Nacional de Brasília -
Festival Transepoéticas

Jura secreta 14

eu te desejo flores lírios brancos
margaridas girassóis rosas vermelhas
e tudo quanto pétala
asas estrelas borboletas
alecrim bem-me-quer e alfazema
eu te desejo emblema 
deste poema desvairado
com teu cheiro teu perfume
teu sabor teu suor tua doçura
e na mais santa loucura
declarar-te amor até os ossos
eu te desejo e posso
:
palavrArte até a morte
enquanto a vida nos procura


Artur Gomes
Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266 - whatsapp

quarta-feira, 16 de maio de 2018

juras secretas - livro - lançamento



Livro: "Juras secretas", poesia. Autor: Artur Gomes.


Lançamento - 10 de junho - 20h
com a performance Poesia Viva Poesia
Museu Nacional de Brasília -
Festival Transepoéticas

Jura secreta 14

eu te desejo flores lírios brancos
margaridas girassóis rosas vermelhas
e tudo quanto pétala
asas estrelas borboletas
alecrim bem-me-quer e alfazema

eu te desejo emblema 
deste poema desvairado
com teu cheiro teu perfume
teu sabor teu suor tua doçura
e na mais santa loucura
declarar-te amor até os ossos
eu te desejo e posso
:
palavrArte até a morte
enquanto a vida nos procura


Artur Gomes
Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266 - whatsapp




CAMPOS DOS GOYTACAZES

Quem sou eu

Minha foto
meu coração marçal tupã sangra tupi e rock and roll meu sangue tupiniquim em corpo tupinambá samba jongo maculelê maracatu boi bumbá a veia de curumim é coca cola e guaraná